sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Aprendendo a gravar parte 5 equalização primeira parte




Como já disse a equalização de todos os assuntos sobre gravação é o mais complicado. Se você ler um livro sobre gravação, visitar sites de gravação falar com professores sobre o assunto ou fazer um curso sobre o assunto, verá que mais da metade dele será dedicada somente a equalização, mas por quê?
Pra começar ainda não há como gravar um som 100% natural, ou seja o que “você ouve gravando não é o mesmo som que ouvirá na gravação”, com ótimos equipamentos pode-se chegar até 99% mas não é a mesma coisa devido ao fator: o que ouvimos diariamente é muito mais “limpo” do que ouvimos num aparelho de som, pois nossos ouvidos não dependem de angulação, madeiras, tipo de falantes, potência, etc... Quando você fala no celular com uma pessoa que está numa rodovia se você estiver num ambiente fechado vai ouvir a pessoa com clareza, mas a pessoa não te ouve por que o barulho externo da rodovia é muito mais alto que o ambiente do carro que ela se encontra o nome disso é “mascaramento acústico” um dos pesadelos da mixagem e ainda há a famosa guerra dos picos onde cada instrumento gravado tenta encontrar seu “espaço” que usa uma teoria bem simples: imagine uma porta projetada para passar uma pessoa por vez, o que acontece se vinte passarem ao mesmo tempo? Obviamente ficarão trancadas! Com o som é a mesma coisa, temos somente 2 canais mono que formam o estéreo (em alguns aparelhos temo 8 mono que formam o surround) como uma música geralmente é composta de uma bateria com no mínimo 7 peças, baixo, guitarra e vocal imagine tudo isso tentando passar somente em 2 canais e separadamente!Por isso numa gravação um som separado é ótimo e quando junta com outro embola é não tiver equalizado. Uma vídeo aula muito boa sobre isso é do músico russo Andy Vax, clique aqui para baixa-lá
além de abordar outros assuntos que falarei aqui. Esse vídeo está também disponível no You Tube.

Posicionamento no campo estéreo

O campo estéreo é onde colocamos nossa música, o famoso lado direito e lado esquerdo. Um dos erros mais comuns que fazemos após a gravação é começar a mexer direto nas freqüências e colocarmos um monte de plugins. Mas primeiramente antes de tudo, você tem colocar cada som em seu lugar. O nome desse comando nos mixer (mesa de som) e nos programas de gravação chama-se Pan. O pan geralmente funciona por números: 0 para indicar que o som está todo lado esquerdo, 64 para indicar que o som está no meio e 127 para indicar que está todo do lado direito, isso é uma herança do sistema MIDI que funciona com posicionamento de som no campo estéreo dessa maneira. Não existe uma regra onde colocar cada instrumento no pan, o que existe é um consenso. Muitos produtores preferem colocar sons forte ou graves do lado esquerdo deixando os fracos e agudos para o lado direito, mas maioria faz o posicionamento como se fosse uma banda ao vivo no palco:

Bumbo – Centro (64)
Caixa – Lado esquerdo (45)
Xipo – Lado esquerdo para o centro (54)
Pratos – Lado esquerdo (20) ou lado direito (70)
Tom 1 – Lado esquerdo (30)
Tom 2 – Lado esquerdo quase centro (58)
Tom 3 – Lado direito (75)

Baixo – Centro (64)
Guitarra 1 com distorção ou efeito – Lado esquerdo (30)
Guitarra 2 Limpa/distorção sem efeito – Lado direito (110)
Teclado cama – Esquerdo teclas graves (0) direito teclas agudas (127)


Vocal – Centro (64)
Back vocal 1 – Direito (100)
Back vocal 2 - Esquerdo (15)

A questão é bem simples: quando você sentir um som embolando jogue o mesmo para o lado esquerdo ou direito para ver se o mesmo fica limpo.

Tipos de equalizadores

Os 3 tipos de equalizadores mais conhecidos são:

Gráficos – Os equalizadores Gráficos (Graphic EQ) foram projetados para desenharmos o “formato de onda” que queremos que nosso som assuma. São mais usados para o sons de casa, ao vivo em P.A e no carro. Numa gravação é pouco usado por causa de um detalhe: não puxa as freqüências exatas. Em detalhes: Um equalizador de gráficos de 31 bandas, quando subirmos ou descermos por exemplo a freqüência 115K, ele também puxará junto a freqüência se descer 114K e se subir 116K. Quanto menos bandas mais bandas são puxadas, um de 15 bandas em 115K se descer puxará as freqüências 110K, 111K,112K,113K,114K e se subir 116K,117K,118K,119K,120K um de somente 10 bandas partindo de 1 15K puxará tudo se baixar entre 105K a 115K e se subir de 125K a 115K. Porém muitas vezes para resolver problemas de mascaramento e limpeza de som justamente por puxar várias bandas ao mesmo tempo pode de ser muito útil.

Paramétricos Q – Os equalizadores Paramétricos (parametric Q) foram projetados para as gravações. Como ele é possível puxar várias freqüências altas (high self) ou baixas (low self) ao mesmo tempo, além podemos fecha o Q numa exta freqüência. Sendo o mais usado também o mais ruim de trabalhar e é o que mais abodaremos.

Tradicionais – Os equalizadores tradicionais (mixer eq) som formados pelo botões low (grave) mid (médio) e high (agudo) encontrados nas mesas de som, amplificadores (baixo e guitarra), stacks, racks e nos aparelhos de som caseiros mais caros. Sua melhor vantagem é que você consegue chegar no som que quer apenas girando o botão (knob), mas assim como o equalizador gráfico puxa várias freqüências juntos.

A Figura abaixo, mostra onde começa as freqüências graves, médias e agudas.



Na próxima postagem, iremos falar sobre as freqüências, abraços!

Um comentário:

  1. É sempre bom quando encontramos na net blog como esse! PARABÉNS PESSOAL!!!!

    ResponderExcluir