segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Coluna do Anicio: Pako o Mestre!

Salve Pessoas!!!
Novamente com pouco tempo de escrever! Vida corrida! E não posso me queixar!
Primeiro que agradecer vocês por fazerem uma das minhas postagens se uma das   
10 mais visualizadas deste blog que foi onde falei que rock brasileiro está velho com mais de
100 acessos por dia!  O Rafael até sugeriu a gente fazer um vídeo, mas como não tenho tempo se ele quiser fazer já está autorizado!
Essa postagem começo falando em se doar ou seja fazer algo sem cobrar nada para os outros e primeiramente vou explicar de onde veio a ideia dela.
Ontem o Rafael me disse que encontrou o mestre musical dele e eles conversaram sobre se doar sem receber. O professor dele trabalha em 4 projetos sociais musicais e não ganha um centavo por isso então ele me perguntou se já tinha visto algum caso parecido e sim eu já vi, foi um dos meus professores (meu mestre também)chamado Pako.
O nome dele era Alberto mas tinha o apelido de Pako ou Pako Gato e o porque desse apelido nunca descobri mas a irmã dele dizia porque ele era muito falador como um papagaio e também que conseguia enrolar qualquer um.
Pako era tio do meu baterista lá nos tempo da Laranja (a banda que tinha) e foi ele que ensinou o Marcos (o baterista) a tocar e comecei a fazer aula com Pako por acaso porque Marcos me sugeriu.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Produção: músicas e efeitos para jogos de videogame

Hoje vou falar um pouco sobre música e efeitos nos jogos de videogames.
Quando se referimos a "videogame" (jogos de video) nos refirimos a todo jogo que usa como entrada um periférico manual (como teclado, mouse ou joystick) e uma saída audio/visual (um monitor e caixas de som ou uma televisão) reproduzido a partir de uma programação feita para computador, celular, consoles (videogame) ou arcade (fliperama).
Porém tão importante quanto a revolução gráfica e de processamento dos jogos também é a do audio. Como ficaria GTA V sem aqueles sons realísticos HD e os palavrões e ironias de Trevor? ou Doom sem aquela trilha sonora "demoníaca" em MIDI?
Onde saberíamos onde está os inimigos através dos passos e ruídos em Counter Strike pelo nosso fone de ouvido?
Que graça tem jogar 007 Legends sem aquela maravilhosa música marcante que aparece nos filmes de James Bonds?
Enfim já deu pra entender que além de bons gráficos o jogo tem que ter bons sons. Aliás muitos jogos famosos são simples de gráficos e ganharam a fama devido ao seu som.
Nessa postagem de hoje vamos falar um pouco mais sobre isso! Boa Leitura! 

Observação: todos os jogos aqui são de computador! Embora tenha jogado bastante em consoles. Muitos antigos que cito aqui jogos estão em sites de Abandoware tem alguns no fim da postagem.


O surgimento do Chip de Som e as gerações O chip de som (Sound Chip)
Assim que surgiu o primeiro jogo eletrônico oficial que era o pong surgiu o primeiro som.
Esse som era gerado por código binários de padrão 8 bits. Até hoje nos computadores modernos você ouve um "som 8 bits" que é o post ou seja aquele bip que o computador faz ao iniciar (o mesmo do primórdio do pong só tinha um circuito integrado que fazia isso e seu código só permitia bips curtos ou longos) iguais ao que ouvimos também quando dá algum problema (como falha da memória) logo ao ligarmos.
Muitos começaram a ver que alguns instrumentos musicais inteiramente digitais como os sintetizadores poderiam ser usados para criar sons para aquele novo tipo de diversão.
Os jogos eletrônicos continuaram a se desenvolver graficamente e perto de 1980 quando os programadores começaram a dar alguma "forma" definida aqueles quadrados (aqueles gráficos do tipo Odyssey ou Atari 2600) surgiu a idéia de também melhorar o som.
Experiências de som com computador e sintetizado feitos por músicos (principalmente da lendária Escola de Berlim) foram responsável por isso principalmente quando bandas como o Teenager Dream e Kraftwek quiseram fazer isso virar popmusic (daí ver o termo synthpop)que ajudaram na evolução disso pois foram uns dos músicos pioneiros de sons gerados por computador.
A partir daqui temos quatro gerações de som que foram desenvolvidas para esses jogos eletrônicos.

A primeira geração (8 bits) 1977 em dianteA maioria desses jogos tiveram como base de efeitos e música um aparelho chamado Chiptune
Chiptune é um sintetizador cujo a função é justamente transformar as ondas sonoras (ou amostras de samples) em sons 8 bits (você pode saber mais lendo essa postagem).
Hoje em dia ele é menos usado pois temos plugins e programas como http://www.bfxr.net/  programa on line e off line que converte áudio para o som 8 bits ou 16 bits ele imita as mesma funções do chiptune. que convertem arquivos de áudio para som de 8 bits e este tipo de som ainda é bastante usado em jogos seja no PC, Consoles ou nos celulares/tablet.
Um exemplo tudo feito em 8bits é o jogo clássico erótico "Larry Leisure Land" de 1987 onde a trilha e os efeitos eram todos gerados por 8 bits. Porém vale lembrar que os computadores em muitos casos não foram usados o chiptune e sim códigos diretos de programação de C e Pascal.




domingo, 11 de dezembro de 2016

Fazendo uma musica completa parte 4: da Composição a Criação

Salvem!!!
Depois de um tempo vamos continuar a série de postagem Fazendo uma música completa especialmente feita para quem quer fazer uma música passo-a-passo!
Pra quem perdeu as postagens anteriores eis os links:

1.Processo de Criação

2.Idéias para criação

3.Modos Gregos

Agora na penúltima parte vamos ver "todos os passos" que usei para fazer uma música que criei há 10 anos atrás em 2006.
Em 10 partes você irá ver e ouvir como fiz todo o processo de criação dela que foi a primeira que fiz no Palco KH Home Estudio.
Ela será a ponte para próxima e última parte, onde mostrarei o processo da música que estou gravando esse mês e será minha última postagem de 2016.
Sem mais delongas vamos a postagem!
Boa leitura!!!

1.A letra
Para entende melhor a música nada melhor do que entender a história dela e por isso vou detalhar a mesma. O principio da inspiração dessa letra foi o seguinte:
Um amigo meu estava apaixonado por uma amiga dele. Até aí nada de mais. Eles trabalhavam juntos e ele era louco por ela. Ou seja o perfeito friendzone. Essa a parte da música que descrevo isso

Todos os dias é a mesma rotina
Ver ela é minha alegria
Ela finge que liga
Ela é minha amiga

A garota além de ser "vida loka" ficava com todos menos com ele (e sabia que ele gostava dela) como você pode deduzir abaixo:

Ei Menina você é tão rebelde
Mesmo assim me enlouquece
Você nunca me escolheu
Eu vou te dar o que ninguém nunca te deu

Na parte do refrão vemos que ele realmente gostava muito dela.

O que é esse sentimento? Eu penso em ti quase todo tempo
Eu não consigo controlar é a minha vontade de amar! De te amar!

Mesmo todos (inclusive eu) advertindo que a garota poderia o machucar (o que deixava ele mais confuso) e inclusive eles não tinham o mesmo grupo de amigos o que ele sempre se questionava:

Será errado gostar de ti?
Como evitar diga pra mim?
Eu não faço parte da sua vida
Mas bem que gostaria

Como dito antes a garota saía bastante, tanto que tinha até uma lista de ficantes ela tinha e pra finalizar ficava provocando ele e o deixando cada vez mais arrasado.

Todos os dias é a mesma rotina
A sempre alguém na sua lista
Comigo ela só brinca
Ela é minha amiga

E o resto se repete.

domingo, 4 de dezembro de 2016

Gravação e Produção: 10 curiosidades uso dos sintetizadores

A gravação caseira se deve em parte a evolução dos sintetizadores.
Isso porque há 30 anos atrás o sonho de gravar em casa era uma coisa para poucos.
Hoje em dia se com um simples computador muita gente cria músicas que poderão (e algumas até se tornam) fazer sucesso em casa é graças a evolução desse maravilhoso instrumento.
Nossa postagem de hoje mostra 10 curiosidades uso dos sintetizadores que talvez você jpa soubesse ou não.  Boa Leitura!!!

1.Moog
Quem é músico ou fã de música em algum momento irá se deparar com esse nome. Mas o que ele tem de tão importante na música eletrônica?
Robert Moog (mais conhecido como Bob Moog) era studante secundarista que publica numa revista de ciências um artigo explicando como construir em casa seu próprio Theremin.
(Theremin é um instrumento popular nos EUA e na Europa que produz sons eletronicamente e mais usados em filmes) porém tudo mudou quando ele colocou "um teclado de piano" nesse instrumento.
Os sons agora podiam ser tocados e não só reproduzidos e ele percebeu (com ajuda de músicos) que ao manipular as ondas sonoras também podia "simular" outros instrumentos quando acrescentou no seu aparelho algumas funções como waveform, decay, release e envelope.
Desse príncipio nasceu o "sintetizador" cujo o nome quer dizer "sintetizar sons" ou "simular".
O MiniMoog foi o primeiro sintetizador usado em gravações (ainda usam até hoje) sendo assim o percussor do restante.




quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Produção: Seis Regras da musica comercial de sucesso

Domingo estava lendo artigos sobre produção no site http://www.musicbizacademy.com e acabei por me deparar numa postagem bem legal.
O nome original dela é The 6 Rules of Commercial Music Success ou traduzindo As Seis Regras da Música Comercial de Sucesso ou seja, aquelas que conquistam os ouvintes nos meios de comunicação que mais são
vistos e ouvidos, claro que falo de internet, tv, rádio, shows....
Porém em algumas coisas não concordo com o autor mas como essa matéria é feita nos Estados Unidos e lá tem uma cultura musical diferente da nossa e justamente
por isso que pedi para o colaborador (o professor) Anício Oliveira também ler a matéria e dizer o que achou.
O intuito aqui não é criticar ou opiniar sobre essa postagem (afinal não estamos aqui pra isso)e sim trazer para realidade brasileira para talvez
dar um sinal de luz para você leitor que anda procurando meios de chamar a atenção com sua música.
Lembro que a tradução não é "ao pé da letra" (ou seja usar o Google Translator) porque senão a postagem fica sem sentido pois a muitas "coisas técnicas" a traduzir
Veja a postagem e se quiser de sua opinião como sempre!!! Boa Leitura

sábado, 19 de novembro de 2016

Coluna do Anício - 8 Dicas de Distorção na Guitarra

Olá pessoas!!!
Depois de quase um mês, escrevo novamente aqui!
Bom atualmente ando gravando uns trabalhos onde estou usando muita distorção.
E sendo assim vou dar 8 dicas de como eu uso esse indespensável efeito pra quem usa guitarra!


1.A mixagem padrão da distorção
Até o mesmo engenheiro que é "aficionado" por rock ou metal sabe que a distorção é um saco.
Claro que todos sabem que alguns "truqes" (como usar mais as válvulas e mais compressão e diminuir o ganho do amplificador)
já são de "praxe" dos mesmos.
Mas se você prestar atenção verá que numa gravação quase todas as "distorções soam iguais" não importando a marca do amplificador ou o set pedais.
Isso porque "uma ótima distorção" é justamente aquela que por mais leve ou mais pesada que seja não "irrita o ouvido" e muitos seguem um padrão pra isso que
que geralmente consiste em deixar o amplificador em flat (todas as frequências iguais) e apenas alterar os valores de presence, bottom, master volume e gain.
Dependendo do produtor esses valores podem ser bem variável (por exemplo só mexer num dos controles) mas geralmente o que falta ou sobra é cortado na mixagem com o equalizador.
Aqui vale salientar que "ao vivo" a regra já não se aplica tanto já que o guitarrista tem que deixar o amplificador (ou amplificadores) em determinados parametros.
Aquelas "paredes" que vemos em show não são todos os stacks soando junto e sim cada um tem um "parametro" pré determinado para reproduzir ao vivo o que se ouve na gravação e claro
como não temos o "luxo disso" podemos sempre contar com uma "boa pedaleira" para tentar fazer o som ficar parecido com isso.

2.Quanto mais pior
A colméia de abelhas que ouvimos nos pedais "Fuzz" em uma gravação pode não ser um e sim um "distortion" ou até mesmo um "overdrive".
Isso acontece (principalmente em gravações onde o guitarrista da muito palpite) porque o que ouvimos é um "excesso" da distorção dos "médios agudos" e dos "agudos".
A função do parametro Filter ou Tone nos pedais é justamente para tentar controlar a distorção nessas "frequências".
Uma maneira prática para você ver se seu som está "abelhando" é justamente gravar em casa com os "parametros" que você vai usar no estúdio e escutar
se sua distorção está boa. Isso poupa bastante tempo de ajustes, principalmente lembrando que suas horas são pagas!

domingo, 13 de novembro de 2016

Gravação: instrumento real vs instrumento virtual (VSTi)

Matéria publicada originalmente no dia 11-04-2011

Olá!!!
Com o advento cada vez mais do home studio todo mundo (até os grandes estúdios) apelam para o uso do Virtual Instrument Technology ou seja, o popular VSTi. Um desses plugins pode nos economizar “um bocado de tempo” além de dinheiro (é melhor gastar uns R$1000,00 com uns 7 vsti do que R$5000,00 num sintetizador!) porém existe uns detalhes que mais uma comprovam que a tecnologia digital em gravação ainda tem que evoluir.
Isso se chama “conflito A/D” muito comum pra quem não tem “milhões” investidos em equipamento, e que às vezes podem confundir e muito seu ouvido. Vamos aos tópicos:

1)Por que o meu áudio gravado analogicamente não está “casando” com o áudio VSTi?

Se você pesquisar isso na internet vai encontrar um monte de coisas.
Porém a mais correta (ou perto dela) que já encontrei foi essa:
as ondas digitais e analógicas não casam como mostra a figura ao lado. Note que o analógico faz curvas e que o digital faz ondas quadradas (devido aos processos matemáticos) e para nosso som analógico precisávamos ter um conversor A/D em nosso rack.Um bom conversor A/D é o Ultra gain pro da Behringer, devido ao seu excelente custo benefício.
Algumas placas de som possuem internamente ele, porém não espere que elas custem menos de R$1000,00!!!

2)Analógico escuro digital brilhoso.
O fato é que uma gravação feita em casa ou com um equipamento mais simples sempre é mais “brilhosa” que as gravações em estúdios grandes, é justamente a falta de experiência (ou equipamento) para conversão A/D.
Quando ouvimos que nosso som analógico não está igual ao som do VSTi o primeiro impulso é aumentar as freqüências entre 1 – 10 kHz, porém isso é algo como ganhar na loto:uma chance em milhões para dar certo (pode dar mas é bem raro), por isso a melhor coisa se fazer e equalizar o VSTi, para tentar ficar um pouco mais parecido com o analógico.

3)Usando o dither como conversor A/D
Durante muito tempo eu gravava assim: monitorava o timbre com meu M-Audio Fastrack com o plugin, gravava “cru” dentro depois passava o plugin no som. Parecia o ideal, porém até que comecei achar que estava muito obscuro no master. Um dia não sei porque, fiz o seguinte:

A)Coloquei normalmente a guitarra na M-Audio
B)Usei um host vst para gerenciar um plugin de ampli de guitarra e coloquei junto um com dither.
C)Na DAW gravei o canal direito puro com a M-Audio
D)No canal esquerdo gravei direto da placa de som rodando o plugin

Resultado? Depois separando os pans, o som ficou muito aberto! E isso funcionou com sucesso na voz!Além disso, no som “cru” você define qual outro plugin passar. Você pode usar um plugin dither para simular um A/D. Porém, o wordlenght tem que ser igual ao números de bits da gravação. Por exemplo, 16 bits/44 kHz, 24 bits/48 kHz.

Abraços!!!
Ótimas gravações!!
Postado por:
Rafael o KH
Autor do blog Palco KH!
Músico e Técnico em T.I
OMB:13850
Contato:
rafael.kh@gmail.com

Revisando o Passado....

Atenção Leitores do Blog!
Estou revisando as matérias mais antigas justamente pelo fato que muita coisa aprendi ou tive uma segunda opinião durante esses anos.
As matérias que estou revisando são justamente desse tipo!

Em breve colocarei novas postagens sobre novos assuntos no ar!

Boa semana a todos e ótimas gravações!!!

Fique agora com mais uma leitura!!!


Rafael "O KH" Dantas
Produtor do Palco KH

sábado, 5 de novembro de 2016

Produção: A difícil arte de promover.....(revisada)

Vi um comentário bem interessante de Bruce Dickson (vocalista da banda de metal Iron Maiden) a respeito da "fama repentina" hoje em dia.

"Agora você pode se tornar famoso apenas sendo estúpido, mas realmente, as pessoas devem ser famosas por fazer algo, por criar algo real"

Isso caiu exatamente como uma "luva" sobre tudo o que penso desses "fenômenos da internet"!
Na verdade isso é só uma prova como algo mais "audio visual" chama muito mais atenção do que somente o "áudio" atualmente e essa geração (nascida no anos 90 pra cá)  está fera em criar isso pois é o momento deles.
O lendário Bruce Dickson
 Na minha opinião pessoal ao meu ver hoje em dia há muito mais gente criativa e estudada do que antes, mas se você é daquele "tipo critico" que acha de desde 1980 a música vem caindo de "qualidade" de uma maneira incrível, posso dar uma pista do que está acontecendo.
São vários fatores: primeiro hoje em dia os alunos de música estão mais estudados graças a informação disponível (vídeo aula, internet, professores), podemos gravar um CD (ou até mesmo DVD) completo sem sair de casa e coloca-lo na internet e ainda fazer o registro completo sem sair de casa, podemos tocar nosso som em show mas porém e promover o mesmo.
Isso teoricamente seria o jeito mais fácil de chamar atenção e não duvide se essa tecnologia estivesse disponível lá nos anos de 70, 80  e  90 que foi a maior "onda de criação musical" que o século XX teve teríamos muito mais gente e bandas famosas que hoje.
Porém ao mesmo tempo que ficou mais fácil mostrar o seu trabalho por outro lado ficou mais difícil de se destacar e isso porque hoje dia tudo está movido a "views" e "like" algo que canso de comentar por aqui e ainda mais da forma que as coisas aconteceram.
        Você já se perguntou porque o funk e o sertanejo se destacaram mais no you tube que os outros estilos e que músicas muito melhores que você ouviu?
Pelo simples fato que além de serem a "balha da agulha" naquele momento também tinham outra vantagem: custo de gravação quase zero ou seja... Eles investiram bem menos na produção do som mas em compensação capricharam valendo no visual e o resultado é que muita gente prefere ver "mulheres rebolando" num funk ou sertanejo mal gravado do que num rock, reagge, MPB ou outro estilo com "alta produção e qualidade sonora".

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Mixagem: 10 efeitos e 10 aplicações na voz em 10 Videos!

Já fiz postagem sobre o usos de efeitos e aliás, isso é uma coisa bem comum se você olhar no You Tube ou até dar uma fuçada sobre tutoriais sobre efeitos.
Mas eu especificamente decide fazer hoje um sobre o uso de dez efeitos diretamente sobre a voz.
Para isso separei 10 vídeos em inglês e português sobre os mesmos.
Esses vídeos são para além da explicação você sentir o efeito na voz pois não adianta ficar escrevendo muito sem você ouvir do que estou comentando.
 Aqui no final de cada vídeo coloquei o quê dá para criar com cada efeito e também o que cada efeito demais causa no som e lembro que isso não "uma obrigatoriedade"!
e sim o que o mesmo faz pois a utilização dos mesmos só depende da sua criatividade e se o "campo estéreo" permite!

Boa leitura e audição!

1.Reverb
O Reverb é o pioneiro dos efeitos (juntamente com delay tipo eco) porque é uma coisa natural. Ele está presente praticamente em qualquer lugar "fechado" onde o som
possa bater e voltar ou onde possa ser produzido "eco" e por isso pode se dizer que ele é o "pai dos efeitos".
Hoje em dia os produtores preferem a "duplicagem" de voz do que inserção de muito reverb, contudo se você ouvir qualquer música da década de 1980 e 1990 irá ouvir
vários tipos de reverb em exagero!
O Vídeo a seguir mostra a utilização clássica do Reverb na voz




O efeito é ótimo para criar
Destaque entre o vocal principal e o back vocals. Encaixar a voz com os demais instrumentos no mesmo espaço.

O efeito demais causa Sensação de estar numa caverna, vocais no estilo new age oitentistas, embolamento do espaço entre os instrumentos.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Masterização: Aumentando o Volume no seu cd em 6 passos (revisada)

(Postagem publicada em agosto de 2010)


reprodução
Ontem vendo as postagens antigas do site “Audição Crítica” Dennis Zasnicoff fez uma postagem muito interessante sobre volume nas músicas. Segundo o mesmo desde de 1970 a “mixagem final” das músicas não param de subir e como o mesmo disse isso é muito fácil de ouvir, basta você colocar uma música pop dos anos 70 e 80 e provavelmente quando você coloca uma música pop de hoje em dia irá correndo para seu o aparelho baixar o som!
Ninguém sabe ao certo como isso começou, uns dizem que foi por causa dos ruídos dos estúdios de rádio e outros porque a qualidade dos equipamentos evoluiu. ~
A verdade é as músicas estão mais alta e como muita gente tem preguiça de ir aumentar o volume temos que seguir a tendência.
Hoje em dia basta você ver a quantidade de "pessoas" com fones de ouvidos, algumas usam até fones de ouvidos grandes lembrando aquelas modas "break" lá de 1986!
Porém o que o pessoal não deve sabe é que as células do ouvido (ciliadas) assim como as células do cérebro (neurônios) são duas que nosso corpo não repõe! Ou seja elas tem a mesma quantidade do início ao fim da nossa vida e se por exemplo o álcool mata os neurônios, quem mata as ciliadas é exatamente o excesso de volume!
É por isso que ouvimos muito casos de músicos famosos ficarem surdos depois de um certo tempo.
Mas já que o pessoal quer assim...
Vamos ver em 6 passos como aumentar o volume do seu CD ou de qualquer outro formato de mídia.

Dificuldade: Média
DAW: A que você usar

domingo, 2 de outubro de 2016

Mixagem: qual o plugin usar em cada pista! (revisada)


Postado originalmente no dia 31 de Julho de 2012

Salve!!!
Essa postagem eu fiz para esclarecer algumas dúvidas de leitores que me escrevem a respeito de plugins.
Se você procurar no blog já falei várias vezes sobre qual plugin usar na sua pista e no AUX/BUSS, porém hoje vou fazer uma postagem bem "detalhada" sobre assunto!
Para quem não está habituado com termos, Aux se refere a "Axiliar" e Buss se refere ao "loop de efeitos" de um mixer.
Esses termos dependem muito da DAW (Digital Workstation ou programa de gravação) que você está o usando!


1)Escolha sua DAW!
Antes de tudo você precisa saber o que rola no ambiente do programa que você escolheu para gravar/mixar/masterizar.
Todas as DAW tem plugin padrão nas pistas
Porém quais são eles? Vou falar das 4 que uso:

A)Sony Vegas
Quando se abre uma nova pista o(s) plugin(s) de padrão que aparecem:
compressor - Equalizador Paramétrico - Noise gate.
Já o  Sony Acid (que praticamente em matéria de audio é igual) somente Equalizador Paramétrico.

B)O Sonar  e o Fruit Loops quando se abre uma nova pista o(s) plugin(s) de padrão que aparecem somente o Equalizador Paramétrico.  

A maioria destes programas você pode personalizar as pistas! Basta consultar o manual, ajuda ou procurar isso na internet.
Solucionado essa questão basta apenas você gravar (bem) sua música.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Mixagem: Coluna do Anicio e os 7 anões do Barulho

Salve Pessoas!
Durante muito tempo sofri com Equalização. O problema é que antes eu só resolvia isso na guitarra. Por exemplo, um bom pedal Boss GE-7 resolve quase sempre problemas que podem aparecer no P.A de show ao vivo.
Em gravação já não ocorre isso, pois todas as frequências "lutam" pro espaço dentro de uma música (assim como os músicos).
A primeira vez que tive que produzir uma música eu não sabia disso então fiz aquela velha fórmula de "ouvido e intuição" e pouco adiantou então tive que começar a estuadar
melhor. Várias dicas consegui aqui no Palco KH, outros em vídeos e outras em sites e talvez uma postagem que me chamou a atenção foi justamente quando estava lendo o
manual do AxeFX II (um brinquedo que dificilmente comprarei) foi quando vi perto do final
do manual um figura com 7 Anões quando numa area específica das frequências.
Pesquisei e achei a postagem completa no site Rational Acoustics e achei muito legal!
Porque de uma maneira simples e direta eles explicam quais são os principais problemas das frequências e isso pode ser usado tanto por músicos quanto por DJs ou pessoas
que gostam de mexer em seus equalizadores.

Com a ajuda do Rafael traduzimos a página para você!
A diferença é que aqui falamos numa característica mais da nossa cultura brasileira, porém você pode conferir a postagem original AQUI!
A descrição deles segundo o site:
"São os mascotes oficials da Rational Acoustics®. Estes setes pequenos encrenqueiros só possuem vozes distintas dentro das frequências. Eles não causam problema enquanto cada um está no seu devido lugar mas quando algum deles saem dos seus lugares colocar os mesmos de volta pode levar muito tempo pois eles podem causar danos na mixagem.
Boa leitura!

domingo, 18 de setembro de 2016

Mixagem: 10 plugins grátis que você precisa conhecer em 2016

1.Superwave P8
Tipo de plugin: Sintetizador VSTi
Esse plugin você consegue timbres históricos de Ed Van Halen (Jump), Jean Michel Jarre (Rendez-Vous) e até Luiz Schiavon (Rádio Pirata).
Este plugin recria os timbres de sintetizadores clássico como o Oberheim OB-Xa e Roland Jupiter.
Baixe aqui o Superwave 8!

2.Vadim Taranov Amp Simulation
Tipo de plugin:Simulador de Amplificador Plugins tão bons quanto os LePou Amp Sims, Ignite Amps ou Free Suite Guitar . Aqui destaque para as simulações muito próximas dos amplificadores
Marshall JCM800 (vários guitarristas como Slash, Frejat, David Murray), Peavey 5150 (Ed Van Halen) e ENGL Invader.
Clique aqui para baixar os plugins!

3.AA Swatches
Tipo de plugin:Banco de Som Dificil encontrar sons tipo GM bons e de graça na internet.
Porém esse plugin (que é um Sound Font Player) é um banco de som com um total de 160 sons.
Com zero de latência e os sons incluídos são seriamente bons!
Baixe aqui Swatches!(É necessário cadastro)

4.Bitter Sweet
Tipo de plugin:aumento de harmônicos (Shape Enhancer/Audio Transient) Se seu som está "fraco" um bom plugin de "ganhos harmônicos" pode resolver.
Este aqui é grátis e dá ótimos ganhos em frequências "fracas" no seu som.
O bom dele é que ele faz "ao contrário" tambén tirando o excesso de harmônicos.
Baixe Aqui o Bitter Sweet!

5.DC1A/DC1A
Tipo de plugin:Compressor
Procurando um plugin de compressão bem descomplicado? Este aqui pode ser a solução.
Nada de controle complicados, apenas pequenos ajustes para chegar a compressão desejada.
Baixe aqui o DC1A/DC1A!

6.Limiter Nº6
Tipo de plugin:Compressor tipo Limiter/Multibanda Querendo finalizar a música ou dar um destaque especial a uma pista ou aux/buss? Esse plugin no estilo "vantage valvulado" pode te supreender pela faciliade de seu uso.
Tudo bem visualmente definido para chegar ao som que deseja!
Baixe aqui o Limiter Nº6!

7.MH Tump
Tipo de plugin:Equalizador para Sintetizador Eis um plugin bem diferente que não vemos por enquanto nos pagos.
O MH Thump é um equalizador feito somente para autar nas areas mais destacadas de sons dos sentizadores (reais) ou VSTi.
Pode fazer um som por exemplo de um instrumento real ficar "sintezidado" e assim você pode criar algo realmente diferente.
Um dos melhores plugins "de graça" que já ouvi.
Baixe Aqui o MH Thump!

8.SymptohmPE
Tipo de plugin:Sintetizador VSTi Para quem quer sons diferentes e sem muita complicação esse plugin é uma ótima opção.
Você pode mudar os sons com simples ajustes. É necessário cadastro no site!
Baixe Aqui o SymptohmPE!

9.Tal Chorus
Tipo de plugin: Chorus Esse plugin tem uma careristica bem legal que é derivado de um chorus presente no sintetizador Roland Juno 60.
Com isso seus sons ganham a carateristicas desse teclado.
Porém ele é bom para linhas de quase todos instrumentos mas não muito eficiente para voz.
Baixe Aqui o Tal Chorus!

10. TDR KotelNikov
Tipo de plugin:Equalizador Paramétrico Fixo (Fixed EQ) O Fixed EQ é o plugin mais complicado de achar entre os equalizadores e são poucos os bons.
A vantagem desse plugin é quem não tem muita intimidade com controles complicados de equalização de frequências basta apenas
regular os botões de Low (Grave), Mid (Médios) ou High (Agudos) para conseguir um bom som.
Baixe Aqui o TDR KotelNikov!

Mais plugins grátis veja a matéria abaixo:
http://www.resoundsound.com/best-free-vst-au-aax-plugins-mac-pc-2016/

Ótimas gravações!

Postado por:
Rafael o KH
Autor do blog Palco KH!
Músico e Técnico em T.I
OMB:13850
Contato:
rafael.kh@gmail.com

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Toques Musicais 10 dicas como fazer um Medley

Hoje vamos ver como "fazer um bom Medley" ou seja tocar uma música atrás da outra!
Pra quem acompanha já falei disso nessa outra postagem sobre o assunto porém fui muito "técnico" e agora serei mais "prático".
Devo lembrar que aqui você deve ter um pouco de conhecimento para coisa funcionar direito!
O instrumento não importa porém como falamos em "tocar e cantar" sugiro um instrumento que tenha como fazer isso (como um violão ou teclado).
Também vou "descomplicar" não vou colocar acordes dissonantes por exemplo ou músicas com "um milhão de notas" isso é com você. O que vou mostrar aqui é mais como o Medley funciona.
Boa leitura!

1.O que é um Medley?
Medley ou Pot-pourri é uma forma de juntar "várias músicas" tornando uma só. Isso é feito muito na música "eletrônica" (não confudir com Remix pois é algo diferente) porém
se você ver no You Tube muito músicos fazem isso em shows geralmente para ter repertório e agradar vários gostos do público de uma vez.
O Medley basicamente é tocar a "música inteira" mesclando outras ou seja apenas uma parte de cada música seja um dos versos, seja o refrão, você até por exemplo pode tocar 1º verso (strofe) e o 1º refrão e passar para a próxima música.
O nome Pot-pourri siginifica juntar várias músicas numa mesma ordem (como ABCDFEG...) diferente do Medley aqui os tons podem variar.
Um dos melhores exemplos de Medley seria o Jive bunny de 1989 onde juntaram famosas músicas de rock e pop clássico (como Swing the Mood: In The Mood / Pennsylvania 6-5000 / Little Brown Jug / Let's Twist Again / Rock Around The Clock / Rock A Beatin' Boogie / Tutti Frutti / Wake Up Little Suzie / C'mon Everybody / Hound Dog / Shake Rattle And Roll / All Shook Up / Jail) que pra mim é o que mais define o que é um Medley.




segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Coluna do Anício:o que esperar do Rock in Rio 2016

Salvem Pessoas!


Rock in Rio 
Na última semana perguntei ao meu filho que vai fazer 17 anos no mês que vem o que ele quer de aniversário? Ele respondeu: "ir ver o Mettalica no Rock in Rio!"
Se ele vai ou não daí estamos discutindo mas pelo andar da carruagem é quase certeza que sim. Ver o Metallica a banda que transformou o "metal" e algo próximo ao pop? Boa escolha!
Quando saiu o Black Álbum em 1991 eu estava apenas arranhando violão, mas quando tive a primeira banda "Oficial" em 1996, The Entersadman virou uma das nossas prediletas de tocar. O público dizia que fazíamos muito "parecido ao CD" tirando o vocal, pois quem cantava era minha esposa na época a "vocalista" metida da banda!
Porém... Metallica, Guns N´Roses, Iron Maiden viraram "figurinhas carimbada" do festival e pra quem leu uma das postagens aqui no Palco KH você sabe o que ando pensando do rock atualmente tanto internacional quanto o nacional.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Composição: Aprenda a fazer um bom Riff com 10 exemplos

Não existem músicas boas ou ruins!
O que existe é saber onde colocar as notas certas nos lugares certos.
Em tempos de estilos "monossílabos" é uma coisa que muita gente tem deixado de lado e embora alguns "velhos e mercenários produtores musicais" teimam  em dizer que esses "monossílabos" são coisa múderna a verdade é que quanto menos coisas tiver uma música menos gasto e mais dinheiro ela trás.
Como sempre disse meu pai que tinha um "ouvido absoluto" que as coisas nas músicas estavam ficando tão "sem criatividade" que logo escutuaríamos apenas as pessoas falando com som de tambores atrás! Bom meu pai simplesmente previu O funk carioca embora atualmente ele esteja tentando escapar disso e ficando mais parecido do com o Hip Hop americano recheado de instrumentos fazendo arranjos em loop. Como sempre falamos você não tem fama e quer chamar atenção das pessoas fazendo algo "impossível" como não colocar "uma super gostosa" para dançar no seu vídeo então você deve criar um música que realmente chame atenção. Nesse ponto já falamos de letra, arranjos, estilos e hoje então iremos falar sobre riffs.
Pra começar o riff se popularizou mais com guitarristas porém ele não é exclusivo deste instrumento, ele pode ser uma "sequência de notas ou acordes" que formam
uma base inteira para uma música não importando o instrumento.
"Um riff é uma progressão de acordes, intervalos ou notas musicais, que são repetidas no contexto de uma música, formando a base ou acompanhamento" (fonte Wikipedia).
Muitas os Riffs podem ser confundidos com a introdução da música e isso acontece porque muitos deles como das músicas Smoke on the Water, Only Owner Lonely Heart, Mais uma vez, One last Breath, Whisky a Go Go, Pride, Bete Balanço suas "introduções" além de marcarem inúmeros
"estudantes de guitarra" foram riffs que seguiam música toda, do início ao fim.
Agora iremos "ouvir" (e ver) 10 músicas cujo seus "riffs" foram responsáveis também pelo seu sucesso!

1.Heros - David Bowie
Tipo de riff: pré refrão com guitarra
David Bowie era um "maluco por idéias musicais" tanto que trabalhou com guitarristas como Steve Ray Vaughan (Let´s Dance), Pat Metheny (This Is Not America) Robert Fripp responsável pelo o riff mais marcante numa música de Bowie: Heroes. Vamos ouvir a música:



Esse som que ouvimos que parece um "violino" ou "sentizador" é uma distorção e o Feedback que ouvimos é conseguido por um popular aparelho para guitarra que o guitarrista inventou chamado de Ebow cujo o objetivo dele é sustentar a nota o máximo possível sem causar microfonia.
O riff marcante só aparece antes do refrão como você pode ouvir na música.
Se não fosse por ele, a música poderia ter sido um sucesso igual mas não seria tão lembrada facilmente.

sábado, 13 de agosto de 2016

Produção: 10 Dicas para começar a gravar em casa!

Esta Postagem é direcionada as pessoas que querem começar a gravar em casa! Não importa o seu estilo musical!
São 10 questões que todos se perguntam quando querem começar a fazer suas próprias músicas em seu computador!







Espero que esclareça suas dúvidas principais!Boa Leitura!

1)É possível ter a qualidade de um estúdio grande em casa?
R:Depende do equipamento. Quanto melhor o equipamento, melhor a gravação. Mas isso não quer dizer que você tenha que ter
tudo de ponta principalmente num país onde os Insumos Musicais a maioria das vezes
são caros para o trabalhador comum (principalmente depois que o Dólar passou de R$3.00) porém muitos equipamentos que chamamos de 3º linha (que seria como um genérico) estão melhores e
que quando comprados em relação a "custo X benefício" podem fazer gravações bastante satisfatórias e não pense que muitos grandes estúdios também não
usam os mesmo. Muitas vezes um equipamento desse tipo tem um som mais caracteristico do que um mais caro.

2)que equipamentos devo ter em casa para gravar?
R:Como sempre digo este blog é voltado para quem grava com computador!. Você pode ter uma mesa de som, mas explico como gravar a mesma no computador.
Se você tem uma mesa digital o que pode te ajudar aqui é mais tópicos técnicos.
Vou falar do que é necessário para gravar o básico na sua casa:

Mixagem: Equalização: "Aumentar ou não aumentar as frequências, eis a questão!"

Aqui é uma questão ainda polêmica!!
Porque ainda é uma fator de "tentativa e erros".
Já comentei sobre aquela história do campo estéreo (do som abafado e pesado) , agora vou comentar sobre o aumento das frequências numa mixagem final. Todos os produtores e gravadoras procuram conseguir um som decente pra sua(s) música(s) maioria dos profissionais acham que você deve "pagar" um estúdio de ponta com equipamentos "top" para não precisar ficar "subindo e diminuindo" frequências num equalizador pois teoricamente você pode matar o som dos instrumentos que já equalizou na mixagem mas nem todos podem pagar um estúdio com Sala Branca para fazer isso!
Então vale apena apelar para dois "milagrosos" plugins: compressor e equalizador ou ainda o que uni os dois que é o compressor de multibanda.
Tem uma história que conto sempre que uns amigos que gravaram num estúdio em 2005 usando os seguintes equipamentos:

Voz - Microfones Behringer e Shure
Guitarra - Ibanez JS com Amplificador Line 6 Flextone
Baixo - Tobias com cabeçote Hartke
Teclado - Korg Trinity
Bateria - Itama linha pro com microfones Behringer

O Computador usado na época era um Pentium 4, com placa de som delta e periféricos filtro como compressores, crossover, equalizador, etc...

domingo, 7 de agosto de 2016

Prodição:10 motivos para voce fazer um cover com sua propria versao

1.Escolhendo sua música
Particularmente eu te digo uma coisa: faça algo que te agrade
Não adianta você fazer algo que está na moda sem não tem afinidade com isso.
A coisa mais legal (e a que mais se destaca) numa versão é justamente a roupagem nova que a música irá ter. Por exemplo se o Korn pega-se uma a música That's the Way (I like it) do KC Cool Gang para fazer uma versão, ela iria ser New Metal e não Funky como é a original ou se Jorge Aragão pega-se a música A Feira do Rappa iria ser em versão pagode.
Enfim a escolha da música nem sempre é de acordo com que você gosta mas o estilo tem que ser o seu! Evite músicas que estão tocando nas rádios, se você pegar o you tube irá ver milhões de versões das mesmas que pode ofuscar a sua.

Pato Fu - Ando Meio Desligado (Música original:Mutantes)


Coluna do Anício: 5 vantagens&desvantagems de publicar sua música numa rede social

Tudo bem músicos e admiradores da boa música?
Rezo que para que sim! E Torço também!
Hoje vou falar algo não tão relacionado a música e vou até lembrar um pouco daquelas "discussões" que tinha na faculdade (como já comentei não sou formado em música e sim psicologia mas não exerço) e como sempre vou usar como "gancho" inicial.
Uma conversa típica de adolescente entre três alunos meus.
Bom, uma nem sei se dá para considerar pois é meu filho (risos) mas que não deixa de ser meu aluno também. A briga começou de um jeito atípico
por causa do tal do Facebook pois eles estavam discustindo se valia a pena estar ou não estar na rede social já que isso é quaseuma obrigação na idade deles (eles tem de 15 a 17 anos).
Confesso que achei interessante a história porque geralmente eles não querem saber nada disso e sim outras coisas como por exemplo meninas, tentar ser o "melhor do mundo" em algo ou só fazer farra que é típico da idade deles (você não se lembra da sua adolescência?) e não entrei na discussão maspor outro lado fiquei pensando: quais são as reais vantagens de estar ou não numa rede social?
Não tenho Facebook o resto da minha família tem.
Minha mulher por causa dos clientes e meus filhos porque isso é da geração deles.
Não tenho simplesmente porque acho que não faço parte desse mundo virtual. Já foi uma briga eu ter que admitir que há plugins fazem certas operações melhor que um equipamento analógo real!
Porém analisando do ponto musical: qual a vantagem ou desvantagem de estar numa rede social? Vamos analisar isso em 5 tópicos

1º vantagem: propaganda ainda gratuita
Nos EUA o Facebook ou Myspace é usado de uma forma diferente. Há muito mais usuários que usam como ferramenta profisisonal do que o Brasil.
Aqui o pessoal gosta muito mais de ostentar ou seja ficar enchendo seu perfil de comentários e fotos muitas vezes que ninguém irá ver!
Para músico a melhor vantagem é poder gravar uma música e colocar para as pessoas ouvirem.
Isso pode ser usado não somente alimentar seu ego, pode ser a diferença entre fechar um contrato ou não pois hoje em dia é muito mais
fácil convencer a pessoas a te contratar do que por exemplo na minha época que tinhamos que sair com o "CD em mãos" e as chances de levar um não eram
bem maiores. Nesses caso um vídeo "ao vivo" (nem que seja um ensaio) vale mais a pena do que um vídeo feito em cima de uma música gravada. Aproveite isso!

domingo, 24 de julho de 2016

Coluna do Anício: 10 Dicas para Gravar Violão

Olá Pessoas!!!
Como já tinha falado lá numa postagem sobre guitarras que fiz aqui hoje vou falar sobre gravação em violão.  Primeiramente devo avisar que se você pesquisar na internet irá encontrar muitas postagens e vídeos sobre o assunto, então vou falar exclusivamente do meu método de gravação.
A medida que você começa a pegar prática vai descobrir que alguns métodos são furadas e que a maioria você descobre por si só como no meu caso. Claro que muita coisa aqui também tem em outros lugares porque é uma coisa que funciona em qualquer lugar.
Preparados! Então ótima leitura!

1.Tipos de violão
Primeiramente vou entrar no básico.
Pra isso usei algumas fontes (que estão no final da postagem) para você entender melhor.
Existem inúmero fabricantes de violão no mercado e fora isso ainda há os luthiers (fabricantes artesanais). Embora você pode escolher uma marca diferente geralmente os violões não fogem desse padrão desses 4 modelos:

Violão Clássico
É o modelo mais vendido no mundo, como sugere o nome. Nesse modelo são usadas cordas de nylon.
É um violão de baixo custo, mais leve e macio, sendo ideal para iniciantes. Além disso, as cordas de nylon machucam menos os dedos com a prática. É muito utilizado para música clássica, MPB, samba, entre outros estilos musicais.

Violão Classico Vogga VC20

Violão Folk
Esse modelo possui um corpo maior que o normal e são levemente acinturados.
Possuem uma caixa maior, o que deixa o timbre mais encorpado, ideal para sons mais graves.
O braço desse modelo é um pouco mais fino e nele são utilizadas cordas de aço, que são mais tensas e podem dificultar um pouco o desenvolvimento da mão esquerda (caso pratique como destro). Os ritmos mais utilizados são pop/rock, por ter um som mais metalizado.


Violão Folk Memphis MD18


segunda-feira, 18 de julho de 2016

10 dicas para gravar um Rock em casa

Salvem!!!
Primeiro vou pedir desculpas por não publicar a 4º Parte das postagem "Fazendo uma música" porque o meu estúdio está em mudanças!
Porém hoje como 13 de julho foi dia Mundial do Rock (pelo menos no Brasil porque eu acho que tem mais uns 3 dias do rock pela frente) vamos fazer uma postagem
sobre 10 Dificuldades encontradas para gravar um Rock em casa e ve se você pode estar passando por uma delas!

1)Qual o seu estilo?
A primeira coisa para gravar um rock é qual o tipo?
Rock Tradiconal,Pop, Hard, Heavy Metal, BRock, Country Rock, Industrial, Grunge enfim todos eles podem ter regras (ou não) de acordo como o estilo.
Por exemplo um Pop Rock geralmente possue a formação Voz principal, Guitarra (ou violão), teclado, baixo e bateria um Hard Rock pode ter Voz principal,2 Guitarras, baixo e bateria e um Pòwer Trio somente Voz principal e Guitarra, baixo e bateria .
Assim como todo o estilo você definir gravar. O melhor é você buscar referências principalmente nas bandas que gosta ou a que você é fã.

2)Decidindo a linha principal
Um dos problemas do rock é decidir quem vai ser a linha principal.
Por exemplo a banda Metallica usa a voz no mesmo nível das guitarras, já Legião Urbana deixa a voz mais alta em conjunto com a bateria,
Phill Colins sempre fazia a voz ficar junta com a caixa da bateria, Sepultura deixa as guitarras na frente da voz, RHCP geralmente a voz está abaixo do
baixo e da guitarra e Dire Straits sempre a voz fica lado a lado da guitarra. Enfim por isso você deve ter referências para decidir o que você quer destacar dependendo
seu estilo de rock. A voz geralmente é o que conduz o resto dos instrumentos mas se você tem dúvidas escute um pouco de Beatles que até hoje são considerados referências quando
se trata de produzir um a música rock.

3)Guitarras limpas ok! Já as guitarras distorcidas....
O pesadelo do roqueiro que grava em casa é justamente sua guitarra distorcida. Você precisa estar ciente de uma coisa:
"nem sempre o som que você ouve é o que vai sair na música". Toneladas de "drive" são legais ao vivo mas geralmente ficam uma bosta gravados.
Se você ler em sites especializados em gravação de guitarra (são mais os estrangeiros) a primeira regra é nunca exagerar na distorção e isso porque esse efeito é uma
"super compressão" do efeito limpo.
 A melhor saída que encontrei para gravar já falei aqui nessa postagem porém ando usando
novas técnicas de gravação de plugins "ao vivo" que anda melhorando e muito a distorção e vou ter que fazer uma postagem sobre isso.
Por enquanto dessas novas técnicas posso dizer que usar um simulador de amplificador colocando no lado esquerdo um cabinete 4x12 com um pouco de reverb e chorus e do
lado direito um cabinete 2x12 com delayanda me dando excelentes resultados! As combinações invertidas do mesmo esquema também.
Mais sobre o assunto aqui também.

domingo, 10 de julho de 2016

Coluna do Anício: O Rock Brasil Idoso

Olá Pessoas!!!
Sábado dia 02 de junho estava montando o som num bar para tocar a noite com minha esposa quando comecei a me lembrar porque resolvi ter essa vida.
Não era um flashback ou se estava conversando com alguém e sim porque a TV do bar estava ligada num canal que estava passando um festival de música. Pelo que entendi era uma homenagem ao rock brasil e lá estavam Paula Toller, Nando Reis, Paralamas, Pitty...
 E pensei comigo mesmo:
- Putz! De novo! E já vou explicar mais adiante o motivo.
Segunda feira (dia 04) estava vendo um vídeo do Nando Moura falando sobre o Legião Urbana e porque nunca mais iríamos ver uma banda como eles e logo depois me deparo com essa cena promovida pelo novo Legião Urbana .
Bom daí depois fui ver as mil e uma desculpas do baterista pois afinal o cara tem um legado para defender e advinha quem foi o culpado?
O programa do celular!
Se o culpado foi o programa como esse rapaz aqui toca Nothing Else Matters do Metallica com celular bem inferior mesmo ocorrendo alguns atrasos?
Claro que essa nova geração sabe mexer com isso e um dos fatores que vejo alunos e meu filho fazendo "timbres" inacreditáveis de guitarra com plugins como o Guitar Rig 5 em suas gravações e eles tocam alguns aplicativos de guitarra muito bem! E isso acontece porque hoje em dia fazer uma música em casa para quem "conhece" está bem acessível. Mas Voltando a história...

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Gravação: sua memória RAM vs seus Plugins VST em 10 dicas

Nunca tive dificuldade em gravar e mixar em computadores como Pentium 4 ou Dual Core.
Porém esse ano foram lançados muitos plugins novos com duas características:
A primeira é que eles são puramente "x64" ou seja, não irá rodar em sistemas operacionais de 32 bits (x86) e a segunda é que a maioria deles está exigindo no mínimo um processador X2/dual core 3.3 e 4 Gb de memória RAM.
Antes o mínimo de qualquer plugin era exatamente um pentium 4 com 512 de memória e ficou assim até pelo menos metade do ano passado e agora eles começam a exigir mais porque a tecnologia favorece melhoras.
Por exemplo o plugin Amplitube 4 simula um Mesa Boogie Dual Retificier quase a perfeição para usar no modo "ao vivo" precisa de um X4 ou I3 com pelo menos 8 Gb de memória!
No meu Curso de Gravação Para Iniciantes comento muito sobre essa "guerra" de processador e memória vs Plugins VST/DX/RTA como por exemplo no caso de você não ter um "ótimo computador" como um X8/I7 com 16 Gb de memória reduzir os usos dos plugins para manter o computador sempre gravando ou mixando e agora vou dar mais algumas dicas como
você pode melhorar esse desempenho.

1.O que vale mais? Novos Equipamentos ou novo computador?
Recentemente um amigo meu que possui um mesa digital Roland Vm71000 vai trocar a mesma por uma Roland M400 que custa "apenas" R$20.000! Segundo o mesmo é por causa da quantidade de ohms da mesa por que ele quer uma que gerencia mais.
O fato é que falando sem nenhum termo técnico é quantidade volume final que o equipamento pode te dar "sem compressão" que é o  pesadelo de "10 em cada 10" profissionais de gravação. Claro que não é só isso pois uma mesa dessas é uma verdadeira "DAW" e não um "software" que tenta
A mesa digital M400
simular uma!
Agora vamos supor que você tenha R$8.000 que é mais ou menos o preço Roland Vm71000 você gastaria nela ou num novo computador?  Você consegue montar um "super computador" com R$5.000 e ainda sobra R$3.000 para investir em equipamentos então não seria melhor
fazer isso?  Você tem que pensar assim: uma Roland Vm71000 é uma DAW que já tem efeitos, compressor, presets, simulador, software editor tudo num lugar só  já um "super computador" não tem nada disso. Se você quiser um compressor externo, tem que comprar um compressor!
Fora que você também tem que ter  uma boa "placa de som" e ainda contar com fatores extras como aterramento elétrico.
Por outro lado se você tiver um bom ambiente acústico e bem tratado não irá fazer muita diferença se você tiver uma mesa digital ou um bom computador com  uma boa placa de som de gravação. A questão é que é tudo de acordo como você grava.
Eu prefiro gastar num computador com uma boa placa de som, com um bom equipamento de entrada porque eu me acostumei a gravar assim usando mais os recursos
que a informática oferece.  Já meu amigo prefere gastar numa mesa Roland porque há anos já trabalha com gravação em mesas digitais.  Por isso evite de tomar decisões por causa de opinião "A" ou opinião "B" e sim de acordo com você trabalha!

domingo, 26 de junho de 2016

Coluna do Anício: será que um dia você ira gravar um CD?

Salvem Pessoas!
Ando meio corrido para escrever aqui no blog por causa das aulas que dou.
Bem que gostaria de dizer que foi por causa de projeto pessoais mas não é, estou com bastante alunos e o resto um pouco de tudo como shows, gravações ou tocar como músico de apoio mas como já disse antes, todo músico está sujeito a isso.
Estava lendo um artigo em algum lugar onde muitas gravadoras comentam sobre a queda de arrecadação com "CD/DVD" e outras que comentam um aumento
na música on-line (em forma de stream) e como ela anda dominando o mercado e de certa forma há um sentido porque muitos CDs que eu estava atrás a um tempão, nem baixei ou comprei e sim
consegui através do meu celular pelo Google Store!. Claro que por exemplo muitos deles "expiram" em 48 horas mas você sempre dá um jeito de copiar e na verdade
se considerar isso pirataria chega a ser estranho porque você pagou e deu direitos autorais então se quiser fazer um cópia para si mesmo não viola nada!
Seria como comprar um CD/DVD e não puder converter para MP3/MP4 para estudo!
Voltando ao assunto você sabia que já houve uma "era dourada" para a extinta fita cassete e que não foi os anos 70 ou 80 e sim os 90?
Porque lá em 1990 surgiu nos Estados Unidos o "booom" da gravadoras independentes e elas por exemplo lançaram bandas que conhecemos até hoje como Nirvana e Pearl jam e esses caras só tinham a "demo gravada" para destribuir entre seus amigos (e fãs) além de tentar achar algum empresário que leva-se fé no seu trabalho.
De certa forma o Grunge contribui demais para as gravadoras independente e quando falamos das fitas cassetes é porque a maioria delas usa um meio bem "básico" de gravação: uma mesa de som (mixer), potência ligados a um ADAT ou mesmo num gravador de Fita Cassete semi profissional (tape recivercomo esse que tenho em casa.  Isso foi lá porque por aqui  a maioria das gravações de bandas aconteciam com "vários" ou apenas "um" microfone pendurado na sala de ensaio gravando direto no seu 3 em 1!
Hoje em dia gravamos facilmente com uma qualidade superior a dos anos de (19)90 usando apenas um notebook! Claro existem outros critérios como por exemplo aparelhos de in/out, qualidade de instrumentos usados, tratamento acústico, etc... Mas uma mesa de som ligada ao seu computador já faz bem mais coisas do que se poderia fazer naquele tempo principalmente se ela for USB então devido a isso hoje em dia está acontecendo uma coisa bem previsível.

Você pode ser o próximo sucesso!Que tal aprender a gravar sua própria música?

Olá!!! 
Se você nos acompanha há algum tempo, essa postagem talvez não seja interessante porém se você não nos conhece e começou a se aventurar no "mundo da gravação caseira" seja bem vindo!!!
Esse ano (2016) comemoramos  9 anos no ar sempre trazendo informações preciosas para quem quer gravar em casa com a qualidade (ou próximo) de uma"música comercial".
O intuito desse blog não é "instruir" qual o melhor equipamento pra se comprar, qual a melhor marcar usar
e sim te desafiar a gravar com que você tem agora nas mãos!
E mostrando como melhorar o que você tem aos poucos.
Há 20 anos todos gravavam em casa usando "fitas cassetes" direto e sem sessão de multipista (gravar separadamente cada pista).
Há 15 anos você conseguia gravar em casa usando um computador Pentium 2 ou K6 II com o software Cakewalk (hoje em dia o famoso Sonar) em pistas separadas porém sem acesso nenhum a informação sobre mixagem.
Há 10 anos atrás você conseguia gravar e colocar vídeos na internet para os outros ver e divulga-los no Orkut e hoje em dia você tem inúmeras opções de divulgar seu som e ainda aprender como criar e gravar!

Veja quantos cantores e bandas famosas já saíram nesses últimos 5 anos graças a divulgação nas redes sociais!
Se você tem talento e tem algo dizer, porque o próximo não pode ser você?
Conheça os 5 fundamentos que postamos no nosso blog:

sábado, 18 de junho de 2016

Fazendo uma música completa - Parte 3 - 10 dicas sobre Modos Gregos

Continuando a nossa série não posso começar uma música sem explicar para você de onde vem o "embrião" dela. Pro isso hoje vou falar sobre Modos Gregos que são praticamente o que dá vida a música atual. Bom estudo!!!

Dificuldade:Média
Requisito:ter conhecimento sobre cifragem, escalas, tríades e acordes!

1.Conhecendo os modos gregos sobre um outro ponto de vista
Muito bem se você conhece os modos gregos apenas vamos "repassar" o que você já sabe.
Para quem não conhece você pode acompanhar sem problemas a postagem, mas sugiro também olhar um método sobre essas escalas como o gratuito do site Cifra Club que é bem rápido e objetivo.
Primeiramente tudo o que vou falar aqui usaremos o tom de C (Dó) como exemplo.
Os demais tons basta você fazer uma transposição. Também só vou trabalhar com "nomes" sem partitura ou tablatura.
Quando pegamos geralmente um método para aprender os 7 gregos vemos que temos
7 escalas que saem de 7 tríades mas quais são essas tríades?
Lembrando que Tríade são um acorde composto apenas por 3 notas que são mais facilmente encontradas em instrumentos de teclas (teclado, piano, cravo, acordeon) porém
claro que pode ser feitas em qualquer instrumento que possa formar um acorde como o violão, a guitarra, o baixo, o cavaco e o banjo.
Instrumentos que só conseguem formar escalas como sax, flauta, timbale ou glockenspiel só podemos tocar as tríades em forma de arpejo ou seja, nota por nota.
O prícipio básico do modo grego é a Escala Maior ou modo Jônio em C e a partir disso nasce as demais escalas como você irá ver abaixo:

C-D-E-F-G-A-B-C  Modo Jônio ou Escala Maior
D-E-F-G-A-B-C-D  Modo Dórico (Menor)
E-F-G-A-B-C-D-E  Modo Frigio (Menor)
F-G-A-B-C-D-E-F  Modo Lídio (Maior)
G-A-B-C-D-E-F-G  Modo Mixolídio (Maior)
A-B-C-D-E-F-G-A  Modo Éolio ou Escala Menor
B-C-D-E-F-G-A-B  Modo Lócrio (Meio Diminuto)

Durante a postagem vou falar sobre os modos porém quando você ver Escala Maior ou Escala Menor estou me referindo ao Modo Jônio e ao Modo Éolio.
Até aqui escrevi o que encontramos na maioria dos métodos.
Porém como estamos mais interessados em usar isso para compor vamos ver além das escalas, e ver quais as tríades desses modos:

C-E-G  Modo Jônio,  Dó Maior
D-F-A  Modo Dórico,  Ré Menor
E-G-B  Modo Frigio,  Mi Menor
F-A-C  Modo Lídio, Fá Maior
G-B-D  Modo Mixolídio,Sol Maior
A-C-E  Modo Éolio, Lá Menor
B-D-F-A Modo Lócrio, Si Meio Diminuto

O Modo Lócrio é o único que tem uma tétrade e não uma tríade.
Além do nome "Meio Diminuto" ele pode ser chamado de Bm7b5 ou Dm/B.
Agora se classificarmos os "modos" por acordes teremos:

C     Modo Jônio, Dó Maior
Dm  Modo Dórico, Ré Menor
Em  Modo Frigio, Mi Menor
F     Modo Lídio, Fá Maior
G    Modo Mixolídio,Sol Maior
Am Modo Éolio, Lá Menor
Bm7b5 Modo Lócrio, Si Meio Diminuto

E é justamente quando classificamos em arcodes os modos é que a magia da composição começa!
Essa vídeo aula abaixo irá abordar um "resumo" do que falei aqui.
O autor usa um Piano mas se você toca outro instrumento basta seguir as notas.
Não tem erro!



segunda-feira, 13 de junho de 2016

Fazendo uma música completa - Parte 2

Depois da nossa Primeira Postagem sobre o assunto (recapitulando estamos fazendo uma música do zero) continuamos agora com segunda.
Como explicado na postagem anterior vimos algumas questões como conhecimento, composição e mercado. Essa segunda postagem vamos continuar falando sobre os dois itens
mais importante de uma música: inspiração e critividade.

1.Inspiração
Tinha comentado na primeira postagem que a maioria dos "famosos" da música atual preferem gravar música dos outros. É por isso que muitas vezes um bom compositor é tão requisitado quanto um ótimo músico.
A inspiração é muitas vezes o combustível de uma música como alguns casos clássicos como de onde venho certos temas musicais como:
Eduardo e Mônica que eram um casal de amigos de Renato Russo ou Jeremy do Pearl Jam falando sobre o suícidiode um garoto de 16 anos. Ainda há inspiração mais leves (e cômicas)como por exemplo a música Minha mulher deixa não da banda Aviões do Forró
cujo a história original foi justamente porque a mulher de um cara não deixou ele ir num lugar com seus amigos e ele ainda teve que dizer o motivo para os mesmos.
portanto como você pode ver (e também ouvir) a inspiração é um dos principais motores de uma música.

2.Criatividade
Muitas vezes a inspiração pode não contar mas nesse caso a criatividade pode ser uma boa saída.
Por exemplo músicas do DJ David Guetta como Gettin´ over you, Sexy Chick ou Memories não possuem letras muitoinspiradoras (na verdade se você ver a tradução pode se decepcionar) mas são ótimas no quisito criatividade ou aindaalgumas músicas nacionais seguem o mesmo critério possuir uma letra não tão inspiradora mas ter uma ótima criatividade harmônica e melódica como:
Passáro de Fogo, Perfeição ou Show de Rock Roll e muitas vezes a criatividade e a originilidade é que abre portas para muita gente e muitas vezes
o músico apenas "revisa" um estilo que já foi muito tocado.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Fazendo uma música completa - Parte 1

Salvem!
Vamos fazer uma música? Fazendo música passo a passo?
Em muitos sites, blogs, videos a gente vê o pessoal falando sobre gravação, mixagem, masterização, técnicas, músicos, etc... Porém eu nunca vi alguém começar do zero uma música, gravar e mostrar o resultado final e na verdade talvez nem veremos.
O mais próximo que vi foi esse vídeo abaixo dos produtores da Rhianna explicando como gravaram Diamonds que para quem não viu é uma excelente
aula de gravação:



Mas muita vezes não sabemos quase nada. 
Claro que podemos ler em sites muitas vezes como por exemplo qual o instrumento os músicos usaram ou como o produtor chegou a conclusão que usar o microfone X era melhor que usar o microfone Y mas nunca como chegaram onde a música gravada chegou da sua concepção, ao nascimento e a sua finalização, temos muitas "informações esporádicas" por exemplo porque o cantor fez a música mas não qual foi a "inspiração" da letra, temos a inspiração da letra mas não como o guitarrista chegou nos acordes que
formam a harmonia, ou ainda porque foi escolhido aquele tom. Tudo isso são informações quase restritas (principalmente quando se trata de música brasileira) e já que é assim, porque não estudarmos uma música que nasceu do zero ?
Preparados? Então abram a mente e vamos "viajar" na composição de uma música!!!

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Coluna do Anicio: Entre a Cigarra e a Formiga

Nota: com o fim do "Curto +Música" as postagens do Anício serão feitas aqui. Muitas vezes não se trata de gravação e sim de toques pessoais! Boa leitura!!!

Olá pessoas!!!
Todo mundo conhece aquela história da Formiga e da Cigarra e como estamos na internet nem vou contar ela, basta você ver esse clássico da Disney contando a fábula.




A moral da história é essa: quem trabalha não passa fome, quem não quer saber de nada passa necessidade mais lógico impossível. Só que se tratando de música hoje em dia a maioria das pessoas ainda acham que uma profissão divertida e sem quase nenhum trabalho e isso eu ouço há anos!
E é isso mesmo que viver de música aparenta: você sempre ser uma cigarra, enquanto aquele seu amigo "músico" vive na farra e ainda ganhando dinheiro!
Pode até ser mas o que não te contam é quem faz isso geralmente é quando se é mais novo na música ou já é famoso! Pois afinal, fazer festa todo mundo faz, complicado é ganhar dinheiro (com lucro) com a mesma! Tenho 41 anos e trabalho com música há 24 anos. Seja com banda, tocando em bar, dando aulas ou trabalhando como sideman.

domingo, 15 de maio de 2016

Mudança de E-mail

Salve Pessoal!!!
Devido aos inúmeros comentários que estava olhando atrasado devido ao meu antigo e-mail a partir de hoje todos os comentários serão direcionados para 

rafael.kh@gmail.com

ATT
Equipe Palco KH

terça-feira, 12 de abril de 2016

E outras 5 dicas para gravar voz em 2016

Todo ano eu faço algumas publicações sobre como gravar melhor a voz em casa ou num "estúdio" com pouco tratamento acústico como você
nessas 15 dicas ou ou nessas 8 e tem algumas mais
espalhadas pelo blog.Acho que já falei de quase todas as dicas que conheço sobre voz, mas aqui eu separei mais 5 porém dessa voz também irei falar como é importante a voz.

DAW: A que vocês usa
Dificuldade: média
Plugins comentados: Melodyne, Antares Autotune,Antares Harmony Evo, chorus, delay e reverb.

Obs: esses plugins são pagos!
Por isso passo aqui a lista de uns "genéricos" grátis que funcionam igual:

KeroVee (autotune)
Duet (harmonist)
Pitchproof (harmonist)
Classic Pack (vários plugins)

1.Voz é uma atuação física, mecânica e psicológica.
Os dois maiores arrependimentos da minha vida foi primeiro não ter montado uma banda na corrida quando um produtor me ligou dizendo que queria investir numa banda
que tinha e ela tinha acabado fazia apenas uma semana! Mas muito maior que esse não foi ter aprendido a cantar antes! Ter tomado as rédeas do vocal. Se eu soubesse cantar na época era só
ter montado uma banda e se o produtor não gostasse do meu vocal era só colocar um outro. Mas o importante era ter uma banda pronta!
Primeiramente não sou um "bom cantor" apenas "engano bem" mas agora que tenho uma "família para cuidar" não toco mais ao vivo, apenas fico em casa gravando os trabalhos que
me mandam mas não tem um dia que não fale pra mim mesmo "Puxa!Porque não cantava antes?". A voz é física pois se você não sabe "respirar" desafina, ela é mecanica porque você precisa fazer com que uma série de "músculos trabalhem em conjunto" para ela sair mas ela é principalmente psicológica.
Muitos me perguntam porque acho isso, só pelo fato de ver que está na mídia hoje em dia.
A maioria desses cantores se não fossem famosos e cantassem do seu lado ou até mesmo para seus amigos e familiares iria ser "massacrado" com críticas!
Mas como eles (hoje em dia) são famosos e fazem show, podem até ganhar críticas de músicos ou especialistas, mas para a maioria de seus "fãs" não há diferença entre esses idólos ou
Elis Regina, Freddie Mercury, Amy Winehouse ou Wilson Simonal para eles os ídolos cantam tão "perfeitamente" quanto estes que são verdadeiros "cantores natos".
E como cantando tal mal conseguiram sucesso? Isso porque eles não davam bola para as críticas!
E vejam onde chegaram! Então se você vai cantar ou vai produzir mas está com medo por causa da recepção lembre-se de duas coisas:
você não é famoso e você está aprendendo! 
Lembre-se que vivemos no "país da inveja" onde a maioria quer mesmo que você se de mal.
Agora se você que cantar a sério então veja essa postagem Como começar a cantar em 5 dicas para ter encorajar! Como sempre digo se você não canta o minimamente afinado, plugin nenhum irá fazer milagre!

sábado, 9 de abril de 2016

Gravação e Mixagem: qual plugin usar?

Faz muito tempo que não fazia uma postagem dessas, mas é bom fazer para se atualizar também pelo uma vez ao ano.Essa postagem foi sugestão de um dos leitores do blog (Wesley Machado) e pode ser até meio "chata" pra quem já tem experiência ou já montou
sua própria rotina de plugins.
Rotina plugins é aqueles plugins que você já tem no Preset sua DAW e já sabe para que eles servem e aonde vão em cada lugar (seja nas pistas, buss ou master).
E falando em rotina então vou escrever sobre a minha ou seja o que uso no meu Home Studio quando faço uma gravação e mixagem.
Para não complicar muito vou estabelecer apenas 8 pistas como exemplo sendo que:

1)Voz principal;
2)Backing Vocal;
3)Guitarra Base;
4)Guitarra Solo;
5)Teclado;
6)Baixo;
7)Bumbo;
8)Resto da Bateria;

Normalmente essa sequência é o que uso para gravar claro que você não precisa fazer a mesma coisa! Por exemplo, ao invés das guitarras você pode colocar um violão, ao invés do teclado,
um piano ou gaita e ao invés da voz um instrumento solo como um sax, isso é sua escolha.
Importante!!!: não vou falar como ajustar esses plugins, ou seja onde cortar ou onde aumentar, apenas foi colocar o que ele faz na pista. Porém no fim da postagem há alguns links sobre isso. 

Dificuldade: médio
A DAW: A que você usar (no meu caso uso bastante o Sony Acid, 
Sonar, Fruit Loops e Sony Vegas)

Antes de começar algumas coisas..... 

1)O seu resultado pode ser bem diferente do meu!
2)Isso acontece porque as varíaveis mudam.
3)Essas varíaveis seu coisas como seu espaço de gravação e o que foi usado para gravar e o retorno usado para mixar.
4)Não siga muito um padrão! Aprenda alguns e crie os seus! Esse é o maior segredo dos produtores!
5)O maior segredo da mixagem é sempre estudar e praticar! 

Boa leitura!!!

quinta-feira, 10 de março de 2016

Produção: 5 dicas para deixar corretamente seu Sistema Operacional para gravar

Quando eu comecei a estagiar (e trabalhar) num estúdio em 2002 me lembro que o dono do estúdio tinha comprado um "Potente" computador: um Pentium 3 de 384 mega com uma placa de som Layla para rodar a poderosa DAW Sonar XL 1.03 (foi a primeira versão do Cakewalk com o novo nome).  
Na época um produtor musical olhou o equipamento e disse "está bom pra começar o problema é esse Windows XP" e como eu também dava aulas de informática não
conseguia entender o que ele tinha contra o "O novo Windows" afinal na escola de informática que eu trabalhava ele estava bem melhor que o seu anterior, o Windows 98 SE. Como eu não gravava (era praticamente um Roadie) não compreendia e logo o
Windows XP foi substituído pelo Windows 98 e assim ficou por um bom tempo.
Hoje em dia vejo como esse produtor tinha razão, pois muitas vezes o que pode atrapalhar sua gravação é justamente o Windows instalado.
Primeiramente porque embora o Windows seja o mais popular dos Sistemas, ele tem muita "instabilidade" mesmo com o melhor "hardware" disponível no computador (Não é a toa que um dos requisitos para uma estação Pro Tools é um Machinitosh ou PC com MAC O/S) isso porque ele armazena tudo primeiro em bibliotecas e depois somente na RAM diferente do Linux por exemplo que faz ao contrário.
Claro que isso não é motivo para você correr e comprar um MAC ou instalar o Linux a menos que você queira!  Então ao invés de "criar um problema" solucione o atual, basta você "adaptar o Windows" e para isso fiz essas 5 dicas como exemplo.

Dica Importante!
Caso você queira seguir alguns dos tópicos, peça ajuda para um amigo mais entendido de informática ou técnico se você não entender algo! Se não sabe fazer, não faça!
Você pode perder o sistema inteiro, a menos que você queira fazer propositalmente pois também não é nenhum bicho de 7 cabeças! Antes de mexer faça um "backup" do HD, mostrarei isso na Dica 5!!!

domingo, 24 de janeiro de 2016

Mixagem: 5 dicas sobre "De-Esser

Normalmente....
Quando escutamos uma música onde o cantor(a) é carioca, gaúcho ou paulista nos pensamos numa coisa:como se resolver aquela quantidade de sotaque carregado de "S"?
Pelo simples motivo que esse "S" irá criar um "sopro" na mixagem e pode estragar muita coisa.
Claro que isso hoje em dia é bem menos audível mas se você escutar artistaslá dos anos 80 e 90 irá perceber bem mais claro isso. E também não é só o caso de artistas brasileiros mas também de vários estrangeiros da mesma época.
Mas vamos supor que você pegou um cantor(a) para gravar ou você mesmo está se gravando e percebe como há quantidade de "S" na voz como resolver isso? Simples, basta você usar um plugin chamado "De-Esser".
"De-Esser" (ou De-Essing) é o método de reduzir o volume de frequências nas gravações vocais que causam um ruído quando um som "ou ess shh" é feito.
Isso é chamado de sibilância que também pode ocorrer quando um som de "t" ou "p" é feita.
É um som desagradável e pode estragar uma outra boa gravação vocal.
Sibilância geralmente é ocasionado em algum lugar entre 5 Khz para 10Khz dependendo do cantor(a),da compressão ou do ambiente de gravação e isso pode ser o resultado de:

Comprimir um incorretamente vocal
A gravação de um vocal em um ambiente acústico pobre.
Um equalizador que dá ganho nas frequências de sibilância.
Um cantor que tem uma voz naturalmente sibilante.
A falta de um filtro "anti-puff" na frente do microfone.

Entendeu agora?
Então vamos ver umas dicas para tentar "limpar" ou "amenizar isso".

DAW: a que você usa
Plugin: VST/DX/RTAS De-Esser  
(PS: aqui na postagem estou usando o Waves Renaissance DeEsser mas pode ser qualquer outro)