quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Teste de plugin: Waves L3Maximizer e multimaximizer

Cada dia mais os processos de plugins estão ficando eficientes. Antes fazer um “dither” era um “parto arriscado” você precisa de vários processos até chegar a um resultado preciso. Além disso, tinha o problema do “volume” contra a música comercial, que se você achata-se a onda ao máximo (algo como thereshold – 10 dB e Output 0.2 dB) sem dúvida teria um som alto, mas se o equipamento era +/- o resultado era desastroso!
Porém a cada mês surge novos plugins que estão com ações cada vez mais precisas como até mesmo com as placas de som amadoras que ajudam o usuário a fazer sua música em casa. Um deles desses plugins é o Waves L3, que faz algum tempo que está no mercado.
Esse plugin é a 3º geração que agora vem com um processamento bem mais poderosos.
Um dos plugins mais famosos da Waves eram o L2 e o Waves C4 (um dos melhores compressores multibandas já feitos) e resolveram juntar esses 2 plugins no L3 (na versão L3 MultiMaximizer), como veremos agora. Essa postagem é praticamente um resumo do manual do plugin. Basta você acompanhar (clique para ampliar) as legendas que estão na imagem:

Adicionar imagemA)Aqui fica o controle do “limiter/maximizer” do plugin (no plugin L3 maximizer, somente aparece essa opção) e encontramos velhos conhecidos nossos:

Threshold: aqui fica nosso “volume de saída”, ou seja, quanto menos volume mais aumentamos o volume saída (porque quanto mais diminuímos o volume na entrada, mais aumentamos na saída). Se você fizer ao contrário (aumentar até 0 dB) teremos menos volume de saída.

Out Celling (output): esse será nosso volume final, enquanto dB a gente que ele seja tocado. Geralmente um bom som de saída seria deixar o threshold - 6 dB e o output em – 0.2 dB, porém geralmente se você já deixou tudo perto 0 dB na mixagem, aqui pode ocorrer “achatamento”

Atten: é ação do tempo da compressão em segundos. Quanto maior, mais teremos ataque da compressão, quanto menor, menos compressão teremos. É válido lembrar, que esse resultado depende de outros comandos que veremos no item B.

B)Nessa área temos a atuação do nosso dither. Existem vários significados, mas pra mim o mais correto é comparar o ele como uma foto:

uma foto de 16 cores é equivale a um dither de 8 bits
uma foto de 256 cores é equivale a um dither de 16 bits
uma foto de 1200 cores é equivale a um dither de 24 bits
Ou seja, quanto mais transparente ele for, mais limpo será o nosso. Porém isso só vale na resolução do CD porque ele não muda nada o nosso resultado final.

Quantize – A profundidade do nosso dither: (24, 22, 20, 18, ou 16-bit). Lembrando que um CD a resolução máxima é de 16 bits 44 kHz e um DVD é de 32 bits 192.000 kHz.

Dither – divido em dois tipos (type).
O “type 1” cria uma distorção linear comum dither mais reduzido. Essa combinação faz com o dither seja mais otimizado e em cojunto com a função “Noise Shapping” cria um efeito “psico acústico” muito usado em masterização.
Já o “type 2” cria um dither bem baixo com uma distorção baixa também e tem algumas vantagens para a alta qualidade de masterização também. Se sua for baixa distorção o tipo 1 é o preferido, ou a redução adicional no nível de exaltação melhor usar a do tipo2. Type2 tem "auto-ocultação", sem sinal de entrada. Em outras palavras, se o sinal de entrada digital preto (zero, sem sinal em todos), não há pontilhamento Type2 adicionado ao sinal de saída.

A opção “none” deixa ser dither.

Shaping (formação) – Esse modo faz com que todos os ruídos do áudio sejam empurrados para 15 kHz, pois a partir dessa freqüência nossos ouvidos não compreendem os mesmo, porém ao mesmo tempo, ele enfraquece as freqüências menores de 15 kHz (pode ser uma ótima pedida para um música fora de controle (com todo tipo de excesso) divido em 3 tipos (type):

Moderate: É uma formação bem leve, quase inaudível.

Normal: recomendado quando acionamos o “dither”.

Ultra: Aconselhável somente em masterização pois tem muito alta qualidade para ser usado no “dither” (16 bits ou superior) controlando a alta freqüência poderia causar efeitos colaterais indesejáveis, se o sinal vai ser processado ou editado digitalmente novamente. Portanto é usado como último estágio de preparação de arquivos.

Master release – aqui vamos definir o tempo de ataque do plugin, ou seja, o vemos na seção “atten”. Podemos definir isso manualmente, porém existe “modos” já prontos para nos ajudar a definir o som:

ARC – Esse modo foi especialmente criado pela Waves e serve para qualquer tipo de som.

Warm – Cria um comportamento mais dinâmico para os graves porém deixa os agudos no modo manual.

Scaled – Ao contrário do modo Warm. Cria um comportamento mais dinâmico para os agudos porém deixa os graves no modo manual.

Agressive – Cria um comportamento agressivo de alto volume, indicado para música eletrônicas ou músicas com baterias fortes. Muito bom para deixar como “limiter” no AUX da bateria.

Manual – Como o nome já diz, todos os comandos são definidos manualmente.

Esse controle irá atingir a 5 frequencias do Crossover.

C)Crossover (somente no plugin maximizer): a partir daqui temos a compressão multibanda. Elas trabalham nas seguintes freqüências:

Grave: 40Hz to 350Hz (valor máximo do mínimo 80Hz)
Médio grave: 150Hz to 2997Hz. (valor máximo do mínimo 320Hz)
Médio agudo: 1022Hz to 4757Hz. (valor máximo do mínimo 1278Hz)
Agudo: 4kHz to 16kHz. (valor máximo do mínimo 5113Hz)

Que podem ser mudadas, basta apenas empurrar as as barras ou digitar os valores no campo Xover.

Xover: divide em LO (grave) LM (médio grave) HM (médio agudo) HI (agudo).

Você também pode definir a “separação do grid” manualmente no campo “separation”. Seu valor vai de 0 a 100.

Controles individuais por banda

Solo – serve para ouvir a banda separada das outras. Podemos também aqui ativar quais as bandas que queremos ouvir ou dar um “mute” para ver se algo está dando conflito.

GAIN: -12 to +12. Default 0. Define o ganho da banda

Link () – Ativa se o release e o priority irá ou aparecer nas demais funções.

PRIORITY: - 12 to +12. Default 0. Quanto maior valor aqui, mais a banda ganhará destaque, quanto menos fará ao contrário. Se uma banda estiver compressado demais, esse controle pode fazer diferença


RELEASE: 0.1 to 5000.

Baixe no site o Waves LL3 demo e teste o que falamos aqui!!!

Abraços!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Acreditamos sempre na liberdade de expressão e na troca de ideias!
Por favor pense antes de comentar!
Se está com alguma dificuldade coloque o e-mail para podemos responder com mais clareza! Abraços! Ótimas Gravações!