quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Masterização: o teste dos 20 (vintes)

Masterização é um negócio complicado....
Você pode querer ou não querer, é como aquela velha história do “ame ou deixe”. Porém, sempre há opções em masterização para você exprimentar.
Uma vez lendo um livro de masterização, eu via no fluxo grama que a música masterizada passava por uns 8 processos em 8 diferentes aparelhos para finalizar. Como a maioria de nós não pode contar que esses equipamentos (que seriam Adat, conversores A/D, dithers, etc...) resta usar os ouvidos e a criatividade.
Justamente como podemos usar os “ouvidos” e “ver” através do analisador de espectros, lhe convido a fazer um teste que uso muito aqui nesse meu estúdio:
Eu chamo “teste dos 20”.

Primeiramente, você deve decorar (ou escrever) essas frequências:

20 a 120 Hz (Grave)
120 Hz a 2 kHz (Médio grave e médios)
2 – 10 kHz (Médio agudo e agudo)
10 - 20 kHz. (agudíssimo)

Essas frequências são o padrão da maioria dos compressores multi bandas.

20 a 120 Hz (Grave)
Se você pegar um equalizador, brickwall ou compressor multibanda e isolar e só ouvir esse “range” provavelmente você ouvirá só o bumbo e o baixo. Se som volume está médio e você está ouvindo outras coisas aqui, é sinal que a mixagem pode estar errada. Numa mixagem mal feita, aqui escuto o estalo da caixa e o ronco da voz, elas não podem aparecer aqui tão na cara.

120 Hz a 2 kHz (Médio grave e médios)
Essa é a região mágica da música. Aqui podemos ouvir tudo o que nossa mixagem fez. Se a voz está soando sem destaque aqui é sinal que a mesma está baixa no resto da música e isso vale para maioria dos instrumentos que você quiser dar destaque.

2 - 10 kHz (Médio agudo e agudo)
Se aqui você todos instrumentos é sinal que há invasão de campo estéreo. Aqui geralmente o xipo, pratos, oitavas altas de um piano, notas agudas de uma guitarra, devem soar. A voz se tem muita presença aqui, possivelmente está com muita “silabence” (sss). Instrumentos graves e médio alcance soam pouco aqui, se soam podem estar errados na mixagem.

10 - 20 kHz. (agudíssimo)
Pouca gente sabe, mas o resultado final da música está aqui. Aqui seria a “válvula de escape do excesso de frequências” faça um teste. Pegue um bumbo e comece aumentar aqui as frequências, você vai ouvir que o mesmo irá aumentar entre 20 – 120 Hz, agora, se você diminuir o mesmo entre 20 -120 Hz notará que ele subirá em 10 – 20 Hz. Isso é chamado de “swap frequencies” (troca de frequências) e é um truque muito útil para timbrar muitos instrumentos, porém não serve para vocais (que aqui praticamente é nulo).

Como usar isso tudo que falei? Simples!
Se você não quiser fazer um “arquivo master”, mas seu computador pode rodar ao mesmo tempo todos os plugins das pistas e todos os plugins do aux pode colocar no master da DAW os seguintes plugins: compressor multi banda e limiter. O que você vai fazer é escutar isoladamente as freqüências de 20 Hz a 20 kHz (essas que passei) e ver se há conflitos de instrumentos nessa faixas (volume, timbre, pan). É trabalhoso, não é fácil fazer isso porém pode te dar a solução daquela gravação que nunca fica boa!

Tudo na música é experimentação! Abraços!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Acreditamos sempre na liberdade de expressão e na troca de ideias!
Por favor pense antes de comentar!
Se está com alguma dificuldade coloque o e-mail para podemos responder com mais clareza! Abraços! Ótimas Gravações!