sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Coluna do Anicio Guitarra: Entre Amplificadores, Pedaleiras e Plugins

Salve pessoal!
Meu nome é Anício de Oliveira!
Sou um guitarrista (sideman e de estúdio) e professor de música (dou aulas principalmente de guitarra e violão). Sou leitor deste blog, desde do dia que vi aqui uma postagem sobre Dobras de Som e então
https://paintboxtalks.files.wordpress.com/2013/08/money-for-nothing-dire-straits.jpgnão parei mais de acompanhar o mesmo e sempre trocando algumas ideias com o Rafael (que publica o blog) sobre diversos aspectos de gravação em casa.
Há mais ou menos 2 meses após umas conversas, ele me convidou a escrever no outro blog dele Curto +Música e acho que já deve ter escrito  umas 5 postagens sobre o cotidiano da música brasileira passada e atual e inclusive essa semana tem uma postagem como era tocar lá nos "anos 90".
O Rafael me disse que estava quase sem tempo de escrever neste blog (Palco KH), então me convidou a escrever também nele e essa semana faço minha estreia aqui na na série de postagens onde irei dar dicas e opiniões sobre gravar em casa e em estúdio.
Aqui vou dar somente dicas nesses visando mais guitarra e violão (porém posso falar também de outro instrumentos) e algumas também sobre como melhorar seu desempenho.
Não vou comentar sobre como equalizar ou mixar guitarra, pois isso é mais a praia do Rafael!
Agora que já fiz as apresentações vamos ao que interessa! A primeira postagem dessa coluna!


Plugin vs Pedaleiras vs Amplficador
Porque escolhi abordar esse assunto? Porque vamos começar a por dúvida muito frequente que meus alunos perguntam. O que é melhor pra tocar? Amplificador com Pedais ou Pedaleira? Plugins são mesmo bons pra gravar? Dá pra tocar plugins ao vivo?
Isso pode até parecer meio chato pra quem já acompanha o blog e conhece tudo isso, então
vamos ver se consigo responder essas dúvidas de forma clara, didática e compreensível!

1.Pedaleiras (multi efeitos )
Quando eu comecei a tocar em 1994 guitarra já existia as pedaleiras (como uma que tenho em casa a Digitech RP-10) mas a maioria do pessoal tinha mesmo era amplificador e pedais.
As pedaleiras nos anos 90 eram um tipo de ilusão mais ou menos como acontece com os plugins
http://medias.audiofanzine.com/images/normal/digitech-rp10-13432.jpg
Minha pedaleira antiga RP-10
de guitarra de hoje em dia. A primeira ilusão era que você achava que tendo uma podia vender todo seu equipamento e da pedaleira iria sair um som igual ao do Steve Morse! E não era assim.
O som delas era muito bom para quem tocava ouvindo nos fones de ouvidos ou num amplificador mas era horrível no P.A ou nas gravações! Graças a essa histórias muita gente abandonou as pedaleiras e voltaram para o velho set de "amplificador + pedais".
Contudo os fabricantes viram que pessoas não gostavam dos efeitos das pedaleiras e então partiram pesadamente para simulação de amplificadores e isso fez com as pedaleiras ficassem em alta outra vez.
Eu particularmente faço muita coisa boa usando uma Behringer Vamp 2 e uma Line 6 Pod XT e olha que elas já foram fabricadas há 11 anos!
Claro que tenho uma mais moderna que é a Line 6 Pod Floor HD que uso ao vivo e sinceramente falta muito pouco para as pedaleiras chegarem a "perfeição" de som de um "Half Stack" cheio de pedalzinhos que vemos em grandes shows.

Pedaleiras mais conhecidas : Zoom (G1,G2,G5,G7); Boss (GT100, GT10, ME80, ME25) e Digitech (RP55,RP70,RP90,RP500).

2.Amplificador (e set de pedais)
Amplificador é o que dá vida a guitarra. Se ela é alma, ele é o corpo.
Na verdade o termo nem é correto, afinal amplificador pode ser também são aqueles
usados em caixas de P.A ou ainda em som de carros. É mais uma coisa "abrasileirada" mesmo, já que os nomes originais não soam legal traduzidos (o nome na verdade Cubo do inglês cube justamente por ser quadrado).
Então vamos conhecer os tipos de "amplificadores":
https://runawaydinosaur.files.wordpress.com/2007/12/amp.jpg
Amplificadores Marshall
Half Stack
São as famosas "paredes" que vemos em shows como do Rock in Rio. É um conjunto composto por uma "cabeça" (amplificador) e mais uma ou duas caixas de som de 4 falantes. Geralmente são usados para distorção pesada, crunch ou leve pois o seu som limpo sempre sai um pouco distorcido naturalmente principalmente principalmente devido as válvulas. São caros, muitos caros! Porém eles também podem ser com sessão "multi efeitos", transitorizados ou híbridos (transitorizados mais uma ou duas válvulas AX7).

Alguns "Half Stcks" famosos : Marshall JCM800 (Slash), Mesa Boogie Retificier (Kirk Hammett) e Peavey 5150 (Ed Van Halen).

Cubo 2x12
É composto por um amplificador e 2 altos falantes numa mesma caixa. Depende muito do modelo servem para diferentes estilos e ritmos. Alguns cubos possuem válvulas e outros até uma sessão completa de "multi efeitos" mas a maioria é transitorizados ou híbridos.
Há cubos com excelente som distorcido e outros um ótimo som limpo.
Em muitos shows de bandas famosas você pode ver uma parede de "Half Stack" e outra de "cubos". Geralmente a de cubos são especialmente para som limpos ou crunch leves. A maioria dos cubos tem uma saída em "linha" para gravação (alguns mais atuais até USB) mas assim como nos "Half Stack" se prefere o uso de microfones em diversas posições para gravar.

Alguns "Cubos 2x12" famosos :Roland Jazz Chorus (Andy Summers), Vox AC30 (Brian May) e Lab Series (B.B King). 

Cubo 1x12 Esse é o que a maioria dos guitarristas tem em casa e usam em shows. Podem ser valvulados, com "multi efeitos", transitorizados ou híbridos de diversos modelos
e marcas. Em shows de bandas famosas não se vê muitos desses cubos pois a maioria prefere usar em estúdios. A maioria dos cubos tem uma saída em "linha" para gravação (alguns mais atuais até USB) mas assim como nos "Half Stack" se prefere o uso de microfones em diversas posições para gravar.
Alguns "Cubos 1x12" famosos: Fender Tweed Deluxe (John Fogerty) e Mesa Boogie Mark-I (Carlos Santana).

Set de Pedais
o "Set de Pedais" é uma pedaleira montada com "pedais individuais". Geralmente é composto por 4 ou mais pedais e ligados ao amplificador. Por exemplo, um dos sets mais usados entre os guitarristas é composto por compressor, wah wah, distortion, overdrive e algum delay e podem ser de diversas
marcas (Boss, Ibanez, Digitech, Vox, Dunlop, Rocktron). Porém muita gente (inclusive eu) usa mais os set de pedais no estúdio mesmo pois ao vivo basta levar uma pedaleira e pronto! Você tem um set com muito mais "temperos"!

3.Plugins de Guitarra
Meu primeiro contato com plugins de guitarra foi numa gravação em 2003. Não acertava de jeito nenhum o timbre do equipamento e então o meu amigo disse:
que tal usar um plugin? E foi o que fizemos.
Os primeiros plugins de guitarra não tinha a função "stand alone" e como não havia nem o controlador ASIO o que se fazia era gravar limpo e depois passar o plugin
http://live4guitar.com/img/content/articles/george_stergiou/10_guitar_plugins_you_should_know_about/guitar-rig.jpg
Plugin de guitarra N.I Guitar Rig 4
em cima do som. As vezes a gente acertava e as vezes não.
Isso mudou quando foi lançando o
"Guitar Rig 2" e finalmente você podia tocar "ao vivo" o plugin mas desde que você usa-se um controlador MIDI, a interface do plugin ou
uma placa de som profissional.
Hoje em dia eu vejo os plugins seguindo o mesmo caminho das pedaleiras.
Muitos como o Peavey Revalver 4 são muito fieis, principalmente as simulações dos amplificadores da Peavey.
Melhorou muito visto que por exemplo, até 3 anos atrás os plugins de guitarra só soavam bem se o preset fosse bom! Pois a regulagem geralmente nunca dava certo. Plugins não são feitos para substituir pedaleiras ou amplificadores, mas sim para gravações e principalmente para salvar sua pele!
Esse ano comprei o "Irig 2" da IK-Multimedia e junto veio o Amplitube para Iphone e não saiu caro! Paguei mais ou menos R$179 reais (convertido do dolár).
Apesar dos timbres não serem tão fieis, enganam bastante e já fiz algumas jams usando apenas esse aparelho, o Iphone e minha guitarra!

Prós e contras
Bom, agora que vimos o que podemos usar para gravar uma guitarra vou dar a minha opinião sobre isso.Deixo bem claro que isso é meu ponto de vista. Você pode ter o seu porque um ouvido é diferente de outro e graças a Deus é assim
pois senão não teríamos os timbres fantásticos que temos hoje!

1.Pedaleiras
Vantagens 
Pedaleiras são compactas e eliminam o uso dos pedais e atualmente até amplificadores (graças a simulação, já toquei em muitos shows pequenos usando minha pedaleira somente em linha).
e dependendo a pedaleira, o amplificador se torna apenas um "reprodutor de som"  já que a pedaleira faz as "simulações de amplificador" podendo fazer um simples "cubo" virar um "half stack", isso lógico teoricamente.
Se você não quer isso, basta desligar a simulação de falantes dela e usar a saída de "loop" (se ela tiver) que ela irá apenas fornecer os efeitos para o amplificador.
Isso geralmente se usa mais quando se quer usar o som limpo/distorcido do amplificador e deixar pedaleira apenas atuando como se você um pedal.  Porém a maioria dos profissionais preferem colocar a padaleira de maneira usual, ou seja:  da guitarra para pedaleira (pode até haver até pedais antes disso) e da pedaleira para o amplificador e usar ambos os sons.
Outra vantagem das pedaleiras são seus acessórios extras. Algumas como a "Boss GT100" oferecem um estúdio completo (incluindo entrada para microfone), outras como a pequena "Zoom G1u" oferece  bateria eletrônica e outras como a "Vox Tone Lab" possui válvulas.

Desvantagens
A maior desvantagem que vejo numa pedaleira sem dúvida é o "embasamento". Isso porque muitas não seguem uma regra exata de qual efeito ou simulação  tem que vir primeiro. O resultado é que alguns presets principalmente quando usam modulações ficam ótimos no fone de ouvido e uma porcaria no amplificador ou no P.A  isso já acontecia com muitas pedaleiras e continua a acontecer. Claro que as pedaleiras caras tem como mudar essa regra, porém como não há como mudar fisicamente ela segue o padrão determinado pelo seu programa isso quer dizer que se você resetar a mesma o problema irá voltar a acontecer. Porém existe uma maneira bem simples de evitar isso que é apenas usar os efeitos necessários. Note que os presets de fábrica nunca usam todos os efeitos
juntos ao mesmo tempo e eles fazem isso provavelmente para evitar isso.

2.Amplificador

Vantagens
 Todo som de amplificador é aberto, seja transitorizado ou valvulado para abrir o som basta regular o mesmo e aumentar o volume. Se o timbre é bom ou não já é outra coisa. Um bom amplificador não importa o seu tipo deve aguentar todo tranco sem problemas. Como por exemplo, você tocar um show durante 4 horas e já no outro dia tocar outro mais 5 horas. O amplificador entre um show e outro não pode apresentar diferenças entre o som (limpo ou distorcido).
No mais basta ligar a guitarra e os efeitos (pedais ou pedaleira) no "amp" e ser feliz sem medo!

Desvantagens
http://i768.photobucket.com/albums/xx323/Hypers_photos/UC1.jpg
Meu velho e fiel Ultimate Chorus
As 3 maiores desvantagens de um amplificador é transporte,potência e marca.
Esqueça essa história "valvulado vs transitorizado" a verdade é que hoje em dia você pode comprar uma pedaleira boa e um amplificador mais ou menos e
conseguir um bom timbre. Lógico que isso nem chegará ao pés de um "Mesa Boogie" mas você deve levar em questão o quanto está disposto a gastar. As marcas mais conceituadas como Marshall, Fender, Peavey, Vox, etc.... oferecem vários tipos entre valvulados, transitorizados e híbridos. Porém com esse repentino aumento do dolár pode se tornar inviavel pegar um novo. Contudo as marcas nacionais como a Meteoro, Staner, Onner e Borne também  andam ultimamente fazendo bons "amps". A também aqueles de "boutique" que geralmente é feito por luthier ou eletrônico que copiam a planta baixa de amplificadores famosos e eles são mais caros que os nacionais porém mais baratos que os importados.
Transporte é um problema e tem haver diretamente com a potência porque quando maior a potência, maior o amplificador e mais pesado é o mesmo!
Valvulados requerem um transporte cheio de cuidados, porque muitos amplificadores valvulados tem a mania de solta uma das "válvulas" quando transportados de maneira incorreta.
Claro que isso não quer dizer que só os "grandes" tem bom timbre, pequenos amplificadores e bem microfonados com um ótimo timbre faz milagres!
Quando me contratam para tocar a primeira coisa que peço é um amplificador 2x12. As marcas geralmente peço as que confio porque isso depende  se a sonorização vai ter ou não.
Mas quando eu tenho que levar o amplificador ou levo o meu Fender Ultimate Chorus que é um grandalhão de 120 watts que tem som de valvulado mas é transitorizado!

3.Plugins de Guitarra

Vantagens 
http://www.vst4free.com/img/HyBrit_3.jpg
Um do plugins que mais uso HyBrit da LePou
A primeira vantagem de um plugin de guitarra é que muitos são de graça!
Existem plugins como do site Le Pou onde para você ter uma idéia, o plugin "HvyBrit" pra mim
é a melhor simulação de Marshall JCM800 entre os plugins e ainda é de graça!  Claro que há os pagos que são bem mais conhecidos como o Guitar Rig, Amplitube, Revalver, Waves Guitar, Overloud TH2...  E claro a segunda vantagem é que se você está precisando de um timbre rápido ou diferente numa gravação, basta passar o plugin no áudio e ver o resultado.

Desvantagens 
Plugin é um software. Ou seja, ou você tem um computador e uma boa interface de som para roda-lo ou esqueça!  Passagem de efeitos só com uma pedaleira do próprio fabricante ou fazendo programação numa pedaleira MIDI que é bem cara!  Claro que dá para tocar ao vivo, mas tem que fazer uma "manobra" pra isso, ou mais simples é usar um bom notebook e uma boa interface USB e lógico você precisará de um amplificador! Ou como citei anteriormente a menos que você tenha um Iphone e um Irig.....

A minha maneira de gravar 
Existem inúmeras maneira de gravar, inclusive esse blog mostar muitas.
Mas como essa postagem é minha, então deixa eu mostrar como eu faço minhas gravações

1)Pedaleiras
Na minha opinião para gravações as pedaleiras com saída USB funcionam melhor do que colocar em linha ou num amplificador + microfone. Via USB a primeira coisa que se nota é eliminação de ruídos elétricos, além do som vir menos "abafado" (porém isso não acontece em amplificadores valvulados) que é uma caracteríticas do som analógico pois para abrir o som requer sessões de "corte e ganho" na equalização. Se sua pedaleira está bem regulada o timbre ou do seu gosto, vale a pena gravar via USB para ver ou melhor ouvir!Também gravar o amplificador com a pedaleira dá ótimos resultados, porém deve-se maneirar em certos efeitos como o reverb e o delay.
Isso porque depois na música você pode passar os mesmos com um plugin. Esses efeitos geralmente dão dor de cabeça para que vai mixar devido a  ambiência da gravação (ter juntar voz e os instrumentos soando iguais no mesmo ambiente) e por isso é tão falada aquela velha técnica
de gravar uma vez com efeito e a outra sem e depois separar a gravação com efeito num canal e a seca no outro. Essa técnica também vale para  gravação com amplificadores ou plugins.

2)Amplificador
Eu tenho um set de pedais básico (já vou falar também o esquema da ligação):
a guitarra vai num compressor "Boss CS3" (que é sustain também), este vai para um "Dunlop Cry Baby" (wah) que vai para um "Boss TD2" (Turbo Distortion) que vai para um "Ibanez Tube Screamer" e finalmente encerra a cadeia com um "Boss DD3" (delay).
Fora isso eu posso usar ainda a distorção e os efeitos (reverb ou chorus) dos amplificadores.
O som passa para um microfone "Shure SM57" posicionado ao lado do cone do falante(s) e depois para um "Behringer B2" posicionado mais atrás.
Para o som sair "na fase certa" eu abro no programa de gravação 2 pistas mono, uma para cada microfone. Claro que vai haver "invasão" de um e outro
mas assim você garante que as fases não entrarão em conflito e dependendo como ficou o timbre, eu escolho somente as vezes apenas um dos canais
e transformo o mesmo em estéreo.
E lógico quando gravo distorção geralmente eu procuro fazer meu timbre com mais compressão e menos distorção, porque quando você ouvir os dois canais
ao mesmo tempo, naturalmente um vai completar o peso que falta no outro.

3)Plugins de Guitarra
Não usava plugins porque eu via muita gente fazendo aquela história de gravar tudo limpo e passar depois e pra mim isso é perda de tempo!
Mais então Rafael (o editor desse blog) disse que ele gravava assim:
primeiro passava o plugin num interface USB de guitarra (como Behringer Guitar Link) e logo em seguida conecta a saída de aúdio dessa interface num amplificador, num microfone (ou em linha) e daí ia para placa de som.
Hoje quando quero fazer uma gravação rápida e estou sem saco de instalar todos os equipamentos, uso essa técnica.  Porém eu ligo a interface usb na guitarra, depois num pré-amp e daí então ligo na placa de som do computador.

Por enquanto é só pessoal!
Na próxima postagem nós iremos ver como podemos fazer arranjos e solos bacanas
em guitarra, violão, teclados e baixo apenas usando "modo gregos".
Abraços!

Anício de Oliveira Músico 

Profissional desde 1995 
Professor, Sideman e "filosofo" nas horas vagas! 
O roqueiro mais amante da MPB! 
contato:anicioguitarra@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Acreditamos sempre na liberdade de expressão e na troca de ideias!
Por favor pense antes de comentar!
Se está com alguma dificuldade coloque o e-mail para podemos responder com mais clareza! Abraços! Ótimas Gravações!