segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Dica de gravação: O que é o "Campo Estereo"?







Todo mundo que trabalha com música (principalmente produtores, mesários e djs) conhecem aquela velha história, da música "soar baixo e sem corpo" e por que faz isso? Os fatores que a maioria diz é que preciso "equipamentos de primeira linha", computador poderoso, placa se som profissional, compressão, equalização, etc....
Mas e quando você tem tudo isso e nada resolve? É simples, isso e culpa do "Campo Estereo".
Apesar de hoje termos o Sorround (onde há até 8 canais de som), ainda hoje somos depedentes na hora da mixagem de usar apenas "dois canais", esquerdo e direito e quando tocados simultaneamente criam o "Campo Estereo". Não vou entrar nos detalhes de "estereo vs mono" ou se gravavamos "tudo estereo ou tudo mono" (deixamos isso para outra ocasião) vou entrar mais em relação "ao conflito" que o excesso de sons causa no campo estereo. Imagine um elevador que cabe a 4 pessoas e alguém coloca 10 nele. O que vai acontecer? O Elevador irá despencar com certeza! Isso acontece com o som também. Quanto mais instrumentos tem a banda, mais conflitos temos que resolver no campo estereo (além dos famosos conflitos de fase). Por isso, muito produtores preferem trabalhar com o minimo de instrumentos e com mais arranjos. Para percebemos isso vou usar três videos abaixos. Deixe seu som no fixo mesmo volume, para ouvir a diferença.
Uma das bandas que vemos esse "excesso de instrumentos" é o Duran Duran. Escute por exemplo a "View to Kill", a música possue 2 guitarras, 3 teclados, 1 cama, 1 baixo, 3 linhas de voz, 2 linhas bateria.



Note que ela soa perfeita mas "baixa" para um padrão altamente profissional. Compare por exemplo agora a música Money for Nothing do Dire Straits, essa versão ao vivo tem 3 guitarras, 2 teclados, 1 piano, 1 baixo, 1 bateria e 4 vozes.



Essa já soa mais alta apesar de ser ao vivo. Agora uma gravação moderna como Pink Funhouse Please Don't Leave Me soa muito mais aberta, pois ela usa 1 bateria, 1 Synth Bass, 2 vozes, 1 cama e 2 a 3 loops, ou seja não há um exagero de instrumentos.



Claro, tudo depende o som que você está fazendo. Sons ao vivos soam muito altos que sons gravados, pois ao vivo, não temos a famosa "guerra de picos", ou seja, quando um instrumento fica tentando achar seu "espaço" no meio dos outros. Outra coisa, note que se você pegar uma música e ouvir somento o lado esquerdo ele é grave, enquanto direito é mais agudo.
Isso acontece porque a maioria dos produtores segue o padrão de "banda no palco". imagine uma banda de 5 integrantes:
note que a bateria fica no centro, mas suas peças estão em diferentes posições (o bumbo fica no meio, a caixa na direita junto com o xipo, os tons da direita para esquerda...) o baixo a esquerda do baterista, o teclado a direita,a guitarra entre o centro e a esquerda e vocalista no meio.Um som pode sobrepor o outro, para isso, basta apenas pegar um deles e redirecionar para esquerda ou para direita. Claro, que isso não é "nenhuma regra", pois assim como a culinária a música é feita de misturas, tentativas e erros e claro, quando acontece algum acidente, ou algo está em excesso pode dar um "sabor" a mais ao seu prato!

Até a próxima!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Acreditamos sempre na liberdade de expressão e na troca de ideias!
Por favor pense antes de comentar!
Se está com alguma dificuldade coloque o e-mail para podemos responder com mais clareza! Abraços! Ótimas Gravações!