segunda-feira, 18 de julho de 2016

10 dicas para gravar um Rock em casa

Salvem!!!
Primeiro vou pedir desculpas por não publicar a 4º Parte das postagem "Fazendo uma música" porque o meu estúdio está em mudanças!
Porém hoje como 13 de julho foi dia Mundial do Rock (pelo menos no Brasil porque eu acho que tem mais uns 3 dias do rock pela frente) vamos fazer uma postagem
sobre 10 Dificuldades encontradas para gravar um Rock em casa e ve se você pode estar passando por uma delas!

1)Qual o seu estilo?
A primeira coisa para gravar um rock é qual o tipo?
Rock Tradiconal,Pop, Hard, Heavy Metal, BRock, Country Rock, Industrial, Grunge enfim todos eles podem ter regras (ou não) de acordo como o estilo.
Por exemplo um Pop Rock geralmente possue a formação Voz principal, Guitarra (ou violão), teclado, baixo e bateria um Hard Rock pode ter Voz principal,2 Guitarras, baixo e bateria e um Pòwer Trio somente Voz principal e Guitarra, baixo e bateria .
Assim como todo o estilo você definir gravar. O melhor é você buscar referências principalmente nas bandas que gosta ou a que você é fã.

2)Decidindo a linha principal
Um dos problemas do rock é decidir quem vai ser a linha principal.
Por exemplo a banda Metallica usa a voz no mesmo nível das guitarras, já Legião Urbana deixa a voz mais alta em conjunto com a bateria,
Phill Colins sempre fazia a voz ficar junta com a caixa da bateria, Sepultura deixa as guitarras na frente da voz, RHCP geralmente a voz está abaixo do
baixo e da guitarra e Dire Straits sempre a voz fica lado a lado da guitarra. Enfim por isso você deve ter referências para decidir o que você quer destacar dependendo
seu estilo de rock. A voz geralmente é o que conduz o resto dos instrumentos mas se você tem dúvidas escute um pouco de Beatles que até hoje são considerados referências quando
se trata de produzir um a música rock.

3)Guitarras limpas ok! Já as guitarras distorcidas....
O pesadelo do roqueiro que grava em casa é justamente sua guitarra distorcida. Você precisa estar ciente de uma coisa:
"nem sempre o som que você ouve é o que vai sair na música". Toneladas de "drive" são legais ao vivo mas geralmente ficam uma bosta gravados.
Se você ler em sites especializados em gravação de guitarra (são mais os estrangeiros) a primeira regra é nunca exagerar na distorção e isso porque esse efeito é uma
"super compressão" do efeito limpo.
 A melhor saída que encontrei para gravar já falei aqui nessa postagem porém ando usando
novas técnicas de gravação de plugins "ao vivo" que anda melhorando e muito a distorção e vou ter que fazer uma postagem sobre isso.
Por enquanto dessas novas técnicas posso dizer que usar um simulador de amplificador colocando no lado esquerdo um cabinete 4x12 com um pouco de reverb e chorus e do
lado direito um cabinete 2x12 com delayanda me dando excelentes resultados! As combinações invertidas do mesmo esquema também.
Mais sobre o assunto aqui também.


4)A voz do rock
Os vocalistas de rock sempre se tornaram referências para diversos estilos. Por exemplo o que dizer dos "drives" de Robert Plant, ou da voz que era um "drive natural" de Freddie Mercury ou roquidão de Eddie Vedder ou voz de Pato Donald do David Mustaine?
Enfim quando vemos um vocalista que fazer firulas nos programas de talento canta geralmente um rock. Porém a voz também está ligado ao estilo. Por exemplo poucos vocalistas brasileiros de BRock cantaram em "drive" alguns que lembro que fizeram isso são Simbas, André Mattos, Thiago Bianchi,Bruno Boncini mas a maioria sempre cantou com sua "voz branca" e claro que a alguns destaques como Ney Matogrosso que nos tempos de Secos e Molhados chamou atenção de produtores estrangeiros por sua facilidade de entrar e sair de um falsete com total descrição.
Porém há alguns casos como John Lenon (que foi um dos responsáveis de alguns efeitos de voz que conhecemos hoje em dia) justamente por "não gostava da própria voz" nos álbuns e pedia para o produtor tentar modificar.
Ou Ozzy Osboune que popularizou o uso da distorção na voz ou os efeitos radiofônicos com equalizador de Julian Casablancas no The Strokes depois com uso de vocoder na música
Instant Crush com a dupla Daft Punk mostram que como em qualquer estilo tudo é válido para fazer uma voz soar legal em uma música. Claro que geralmente o efeito mais usado
continua sendo um reverb do tipo room com um delay curto.

5)Um pouco sobre o baixo
99% dos baixos que já gravei (para mim ou para clientes) foram em linha apenas com um direct box para limpar. Os efeitos geralmente apenas um compressor (para obter aquele som do tipo denso como nas músicas
Give it away do RHCP ou Epic do Faith no More) e um noise gate para limpar os ruídos de pausa (principalmente em slaps ou baixo com palheta).
Mesmo quando o baixista vem com um amplificador coloco o mesmo em line depois no mixer e depois para a placa de som.
Uma dos coisas que faço isso é justamente porque o grave é a frequência "mais forte e densa" do som e quando não controlado de maneira adequada pode embolar todo "meio de campo".
Nunca ouvi falar sobre gravar baixo como "microfone" como se faz com a guitarra porém com certeza já fizeram e muito por aí pois afinal em gravação vale tudo menos deixar a mesma
com mascaramento acústico. Quando gravo minhas música prefiro escrever o baixo num programa de partitura (ou tabulatura) Midi mas isso é uma questão pessoal. Em muitas músicas
intercalo o baixo midi com o real para deixar mais forte o mesmo.

6)Mais um pouco sobre bateria
A bateria é o intrumento mais complexo a ser gravado. Pois estamos falando de algo que não pode ser gravado "separadamente" instrumento por instrumento como no caso a guitarra onde
podemos gravar primeiro a base e depois o solo, com a bateria "ao vivo" não dá pra gravar primeiro o bumbo, depois a caixa, depois os pratos e assim por diante.
Ao gravar uma bateria praticamente todas as peças tem que ter microfones e aí que a coisa complica. Você não pode usar microfones cardióides comuns como um Shure SM57 você tem
que trabalhar com microfones especificos como por exemplo o Shure Beta56A e normalmente eles são bem mais caros que os microfones comuns!
Isso porque esses microfones já são feitos para trabalhar na frequência da bateria com "cortes e ganhos" por isso meu conselho é se você está querendo gravar bateria faça num estúdio que tenha
condições pra isso! Mas não se preocupe se não tem dinheiro pra isso pois há outras soluções porém geralmente não dão o efeito desejado.

Primeira Solução colocar um microfone cardióide no bumbo, outro na caixa, em cima dos tons, um nos pratos esquerdos e outro nos pratos direitos e todos devem passar
pois um noise gate e compressor para não haver fugas do som! O certo é que esses dois efeitos passem separados para cada microfone para evitar vazamentos!

Segunda Solução é mais complicada por causa do mascaramento que pode acontecer. É você pegar colocar um microfone no bumbo, um na caixa e três pindurados para o resto das peças.
Teoricamente falando, se você abrir uma pista para cada microfone teremos o bumbo, a caixa, o xipo vai ser pego pelo microfone da caixa, os pratos e os bumbos pelos três aéreos.
Costuma funcionar quando não se quer uma gravação profissional apenas uma demo. Os vazamentos podem ser controlados pela equalização e pelo noise gate.

Terceira Solução embora os roqueiros não aceitem muitos estúdios usam e abusam de Midi, samples e loops para fazer uma bateria e isso vai do estúdio de casa até os estúdios grandes.
Particularmente eu prefiro trabalhar com Midi escrevendo o que o baterista quer que a bateria faça ou deixar que ele escreva quando sabe "partitura" e vou fazendo.
a maioria dos que gravam em casam usam bastante bateria montando no Fruit Loops com excelentes resultados pois é fácil de escrever já que a DAW possue um editor "passo a passo" (step edit)
especialmente feito para os bateristas.

7)Lindando com os músicos O pior problema de gravar um rock é justamente os músicos e principalmente aqueles entre 16 a 20 e poucos anos! É coisa séria pois os caras não aceitam opinião nenhuma!
Os músicos mais fáceis de gravar ainda são as duplas sertanejas pois tudo para eles é válido. Já os roqueiros cada um quer ser o próximo Axl Rose, Joe Satrianni, Steve Harris ou Lars Ulrich! E falo de experiência própria! Quando gravei a primeira vez com uma banda (que era de rock) havia uma briga entre gente justamente para ver qual instrumento iria aparecer mais!
Ou seja ninguém se preocupava em "soar bem" e sim aparecer. Não sei se todos são assim mas com que já trabalhei acho que só uma banda não era desse tipo.
Mas você está gravando em casa certo? Vai acontecer isso? Se gravar sozinho não a menos que você brigue com o espelho, mas se você gravar com sua banda tentem entrar num consenso principalmente
com o estilo de rock que você está fazendo.
Pro exemplo sua banda quer soar parecido com Mutantes então a voz e a guitarra tem que ficar na frente! Querem ficar parecido com Faith no More vocal, baixo e teclado na frente
e assim por diante. Como uma vez um dono de estúdio me disse: ouça! e depois decida como quer soar!

8)Ao vivo ou em estúdio? Como já falei em algumas postagens alguns preferem soar exatamente como ao vivo e outros querem usar truques de estúdio.
Bandas como Iron Maiden, Nirvana, Duran Duran soam ao vivo como se ouve nas gravações. Agora bandas como o Red Hot Chilli Peppers, Tihuana,Nickel Back soam
bem diferentes ao vivo. Isso porque os "primeiros" se mantém ao que foi gravado no estúdio e os "segundos" usam tantos efeitos, truques e outros instrumentos que para
reproduzir ao vivo precisariam de uma banda do tipo que o Michael Jackson usava!
Isso é uma coisa de gosto. Você decidi isso. Mas lembre-se de sempre pesar tudo na balança. Por exemplo a música Nothing Else Matters no estúdio para completar atmosfera
da mesa foi colocado arranjos de cordas (strings) de sintetizador (me lembro que vi isso num video de como o Metallica gravou o Black Album) já a música Money for Nothing
ao vivo Mark Knoppler faz um longo e belo solo que não tem na gravação!

9)Uma banda virtual Outra desvença pra quem em uma banda de rock nunca aceitar algo que venha digitalmente. Quando eu tinha banda eu fazia muitas Midis e depois mostrava para banda
e assim cada um já tinha o "embrião" pra onde som deve ir. É exclusivo meu? Não! Muitos compositores fazem isso e depois com a banda decidem o que é bom ou não.
Teve uma música que fiz chamada Por quê? que justamente a bateria que você houve foi nosso baterista que escreveu no Sonar usando o Native Instruments Battery (acho que a versão era a 2.0) e ele fez isso porque não estava com "paciência" de tocar a música e olha que ele também era nosso produtor! Enfim, foi uma solução bem prática porque poupou vamos dizer pelo menos 2 horas de estúdio!
Hoje em dia vemos muitos exemplos de algo desse tipo por aí pois é uma solução bem prática. Você fazer uma música usando uma Banda Virtual não siginifica que a música vai ser
exatamente assim é mais para poupar tempo de criação e também fazer com seus "companheiros" dêem uma agilizada para compor!

10)A Mixagem do Rock
Por último a mixagem. Embora esse tópico possa render "centenas de linha" pois você pode pesquisar aqui no blog, em outros sites ou em vídeos
posso dizer que é bem complexo porque não sei que estilo de rock você está fazendo!
É por isso que insisto tanto nas referências pois são elas que irão fazer conseguir o som que quer.

Boas Gravações!!!
E Viva o Rock Roll 

 Postado por: Rafael o KH
Autor do blog Palco KH!
Músico e Técnico em T.I
OMB:13850
Contato:
rafael.kh@gmail.com

2 comentários:

  1. eu adoraria colaborar com uma versao 2.0 desse texto. que tal?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faça sua postagem e mande para rafael.kh@gmail.com. Colaborações sempre são bem vindas! Abraços!

      Excluir

Acreditamos sempre na liberdade de expressão e na troca de ideias!
Por favor pense antes de comentar!
Se está com alguma dificuldade coloque o e-mail para podemos responder com mais clareza! Abraços! Ótimas Gravações!