domingo, 13 de setembro de 2015

Mixagem: 5 dicas de dinâmica

Quando a gente começa a gravar a primeira coisa que você quer é volume. Por que isso?
http://www.iatec.com.br/blog/wp-content/uploads/2012/03/musica-internet111.jpg por queremos que nos ouçam! E geralmente é isso que leva muita gente a se empolgar com gravação e logo em seguida abandona tudo porque não consegue esse resultado isso porque na nossa cabeça ao gravar iremos ter um som igual ao que ouvimos no rádio e logo descobrimos que não é assim.O problema é que a gente lê que pra qualquer coisa para soar "alto" no padrão comercial (que o volume normal de um CD/DVD/Blue Ray) e que nós devemos abusar dos efeitos como compressor, limiter e multibanda porém esquecem de falar muito sobre dinâmica. Quando me refiro a dinâmica (não falo do desempenho) falamos da capacidade de gravar e mixar e na hora de masterizar você pode colocar o compressor mesmo na compressão mais achatada (aquela do tipo 10:1 ou Ratio 250 ms e Threshold -10 dB) que o som irá soar bom de qualquer jeito.
Uma época de ouro tanto para música quanto para as gravações foi a década de 80 e 90. A música comercial atingiu nessas décadas o máximo de sua inovação, criação e talento (como música) e as gravações tinham que acompanhar isso e por isso uma enxurrada de equipamentos novos saíam praticamente a cada 6 meses. É dessa época o álbum mais dinâmico já feito que é o Brother in Arms da banda Dire Straits. No site http://dr.loudness-war.info/ você pode pesquisar sobre vários álbuns internacionais e seu "raking" em dinâmica. Isso é uma coisa que a partir dos anos 2000 e principalmente com advento total da gravação digital se perdeu. Hoje em dia o negócio é fazer soar alto não importa como e isso que estamos na era de todas as músicas serem escutadas em fone de ouvido! Muitos trabalhos que ouço estão ótimos em volume mas fracos em dinâmica. Simplesmente quem grava não quer saber muito de cuidar de 3 coisas básicas:

DAW: A que você usa
Dificuldade: Médio



1.Paciência
Nós somos ansiosos para mostrar o que sabemos e principalmente hoje que tudo é ao estilo "fast food". Eu vim da escola que primeiro você ficava em casa estudando,praticando e sonhando, depois montava a banda e ficava mais uns meses ensaiando antes da primeira apresentação, depois você pegava experiência de palco e daí então você criava suas canções e gravava!
Hoje em dia seja cantor/dupla/banda reduzem tudo pela metade. Tem gente que grava sem ao menos ter feito um show! E você acha que isso é só entre os desconhecidos? Muitos famosos são horríveis no 1º CD e depois vão melhorando nos próximos porquê? Porque pegam experiência na marra! Antes não acontecia isso porque quem ficava famoso geralmente vinha de muita prática e embora isso ainda aconteça (muitos artistas ainda saem de horas de show, bares e ensaios) há muito "jabá" no meio também. Mas como não podemos frear essa vontade você pode gravar e depois calmamente ir mixando e refazendo partes que não gostou em uma, duas, três músicas... E quando chegar num veridito final (não importa se leve um semana ou um mês) daí sim colocar para os outros ouvirem.

2.Desempenho

Não importa se você é um músico amador ou profissional. Uma coisa que todos esquecem é que a música uma vez colocada num local para ser ouvida (não importa se vai ser na internet, rádio ou tv) você tem que lembrar que pode ser elogiado ou criticado e que a gente vê hoje é o pessoal só preocupado com o volume. Claro muitos pensam assim:
- Essas duplas de S.U e cantores funk (da mídia)são piores do que eu por que devo me preocupar?
E aí que a pessoa peca. Já perdi alguns trabalhos de produção justamente porque a pessoa não tem paciência para fazer etapas e daí até ficamos quites: pois não tenho paciência mais pra explicar que sem desempenho não tem como gravar!
Claro que existe muita gente "meio boca" famosa mas eles tem empresário e produtor e você ainda não. Então Por isso se você quer que sua música chame atenção por ser boa capriche na execução! Claro isso vale tanto para um cantor, dupla ou banda!

3.Conhecimento do equipamento
Sempre digo que nada funciona sem conhecimento principalmente que o brasileiro que é um povo tão apressado para tudo que quando compra qualquer aparelho nem faz o básico de ler ao menos o manual!  E agora com essa alta do dólar (que uma tristeza para os músicos e para as lojas de informática) conhecer o que você tem é quase uma obrigação principalmente quando se grava em casa. Porém não é só os manuais que te ensinam também é necessário a prática ou seja "fuçar" mesmo.  Uma vez uma dupla serteneja me pediu um auxílio para poder gravar em casa. Eles já se apresentavam e tinham equipamento próprio.
Me admirei ao ver a teimosia deles quererem fazer tudo direto no computador com uma placa de som M-Audio Fast-Track-Ultra iludos com aquela história que os "plugins" fazem tudo e isso que eles tinham em rack equalizador, compressor e crossover-limiter! Então ordenamos os equipamentos de entrada e organizamos as sessões de gravação. Eles conseguiram resultados muito satisfatórios! Deu até para gravar um CD sem dever nada aos CD de gravadoras.

4.Mixagem
Primeiramente sempre estude e pare pensar como quer sua mixagem. No blog há vários post sobre isso. Quando eu mixo geralmente eu sigo 3 regras: a primeira a limpeza (deixar a gravação sem ruídos), a segunda cuidar dos efeitos (se estão em falta ou exagerei) e por último evitar a tentação de aumentar a equalização e compensar com a compressão.
Nos últimos tempo a equalização virou a maior tentação para quem grava em casa. Isso porque ao aumentar a frequência entre 800 Hz e 5 kHz que é a região que ouvimos melhor achamos que estamos tendo um som de arrasar. Mas logo nas primeiras audiçõe vemos que erramos em algum ponto. Por isso ante de aumentar, abaixe! ! Escute depois os resultados sempre em fontes de som diferentes (no carro, no celular, na tv, em caixas pequenas e assim por diante).

5.E se a dinâmica está ok...
Tente aumentar o volume da música ao juntar todas as pistas para um master!
Primeiro pegue um equalizador/compressor multibanda e tente fazer um "sorriso" (aumentar a região grave, não mexer nas médias e aumentar o agudo).
E você nota que tudo continua soando igual (pelo menos perto) antes de colocar o plugin, você pode ter conseguido! Isso vale para a compressão (mesmo quadrada o som continua compreensível) ou algum plugin que simule válvula (mesmo distorcido o som continua parecido).
Agora é só você regular os padrões finais e aumentar o som sem maiores preocupações!

Ótima Semana!!!E boas gravações!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Acreditamos sempre na liberdade de expressão e na troca de ideias!
Por favor pense antes de comentar!
Se está com alguma dificuldade coloque o e-mail para podemos responder com mais clareza! Abraços! Ótimas Gravações!