quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Analise profunda: The Entersadman - Metallica

http://miscelaneacult.files.wordpress.com/2011/08/metallica-1991.jpgHoje vamos tentar desvendar como foi gravado um dos maiores hits do Metal: The Entersadman do Metallica. Porém hoje tenho uma novidade: graças ao surgimento da "only tracks" na internet consegui o master das 4 sessões separadas, ou seja: a baterias de Lars, o baixo de Jason, As guitarras de Kirk e Hetfiled e a voz de James. O legal é que  você usa um "analisador de espectro" e tem uma idéia como a trilha se comporta no master final (o que pode lhe dar várias dicas). Convido a quem quiser dar opinião final nos comentários pois a maioria do conteúdo tiro da internet e das revistas de música que tenho em casa e claro de troca de informações e uma pena que enquanto as bandas internacionais passam "detalhes" das gravação aqui no Brasil a maioria das bandas que estão na mídia não fazem essa "cortesia" nem nas revistas.
Contudo lembro que esse tipo de postagem não foco muito "em saber" que equipamento de gravação de entrada foi usado (como modelo da mesa, tipo de compressores, qual a DAW) pois você sabe que o equipamento deles é outro nível e por isso foco mais na estrutura da mixagem, da composição, da produção da música e dos instrumentos em si ou seja, algo que você consiga reproduzir em casa.
  
Dificuldade: Alta 

Aconselho a ler as seguintes postagens (se você se sentir perdido)
 http://palcokh.blogspot.com.br/2011/04/mixagem-masterizacao-como-usar-direito.html
http://palcokh.blogspot.com.br/2011/04/mixagem-masterizacao-como-usar-direito_27.html
http://palcokh.blogspot.com.br/2012/07/mixagem-tire-proveito-das-only-tracks.html
http://palcokh.blogspot.com.br/2011/07/masterizacao-utilizando-o-sistema-kh.html
http://palcokh.blogspot.com.br/2012/07/mixagem-trabalhando-com-o-izotope-ozone.html

Lembrando que no "you tube" temos apenas  a compilação final dos "aux/buss" da música, talvez algum tenha sido feito com um programa que "isola" as frequências.


1)A música
Me lembro quando ouvi a introdução da música a primeira vez em 1991 (acho que tinha 14 anos) pensei comigo mesmo: Uol! Vou tentar tirar isso!
 Claro que ela está na tonalidade clássica de "Mi menor" que um monte de música metal usam e foi escrita pelos guitarristas Kirk Hammett e James Hetfield, juntamente com o baterista Lars Ulrich. A letra, elaborada por Hetfield, fala sobre pesadelos. "Enter Sandman" foi o primeiro single de um álbum bem sucedido que vendeu mais de 15 milhões de cópias em todo o mundo e aumentou dramaticamente a popularidade dos Metallica a nível internacional. Aclamada pela crítica, esta canção foi incluída em todos os álbuns e DVDs ao vivo dos Metallica lançados desde 1991, incluindo S&M que foi gravado com a Orquestra Sinfónica de São Francisco em 1999.
Pra mim a versão do Rock in Rio do ano passado foi a mais legal, pois eles primeiro tocam a "tristeza" de Nothing else Metters e pra acabar com ela tacam a "pancada" de Sadman (veja aqui o vídeo).Vamos primeiramente "ver e ouvir" a música para você relembrar a mesma.


E agora veremos algumas coisas bem "interessantes em sua composição". Quando comento que a melhorar maneira de "aprender a fazer uma música" é copiar os "elementos de uma famosa" você entenderá como funciona essa teoria. Quem quiser saber as notas da música basta ver aqui.

00:00 a 00:25
Tom: Em
Primeiramente aqui vemos uma coisa bem comum do Mettalica: fazer introduções com inícios suaves para dar um "climax" (é só ouvir Nothimg else metters, unforgiven, from woho bell tolls). Note que aqui a guitarra solo introduz o efeito "wah-wah" esse efeito é o que dominará ela

00:26  a 00:57
Tom:Em
Agora temos a entrada das guitarras "pesadas" fazendo "dobras" (provavelmente cada guitarrista gravou com um tipo de distorção e com um tipo de guitarra) e mais o baixo.  Note que aqui teremos a preparação para o climax da introdução. Outra coisa que você deve notar e que veja como os riffs são muito bem divididos, dando a sensação de ser "diferentes a cada compasso" e que na realidade são iguais sempre.

00:58 a 01:13

Chegamos ao clímax da introdução!  É uma daquelas introduções que você consegue praticamente "cantarolar ou solfejar". Aqui você poderá notar o que uma música bem produzida: olhe o tempo exato do "loop" do riff da guitarra: chega a deixar a nota E sem intervalo de uma batida para outra.

01:14 a 01:28

Agora que começa a letra você verá que a música é "construída" em torno da voz e das guitarras (note que a cada final de strofe o riff da guitarra da introdução reaparece). Quase não temos variação da bateria e do baixo. Esse tipo de mixagem pode ser conseguido se você timbrar primeiro a voz, depois a(s) guitarra(s) e depois o resto dos instrumentos. 

01:29 a 01:50

O "pré refrão" a música pula para F#  quando chega no refrão (01:36) ele vai para F#m.   Ao final temos uma pausa nos instrumentos e voz continua e assim temos a reintrodução seguido de um riff da guitarra solo. Após isso a 2ºparte que vai de 02:06 até 02:43 é praticamente a repetição da primeira porém o vocal não repete.

Solo 02:44 a 03:28
A base solo praticamente repete a introdução  até 03:00. Após isso a base é a do refrão.
Claro que poderia especificar quais as "escalas" que guitarra usou, porém iria fugir do nosso objetivo e note que que o efeito do solo é sempre o "wah". Aqui observe como a guitarra "foi pra frente"  isso porque apesar de ela está na mesma altura da voz parece mais alta devido a presença forte dos "harmônicos".

Fala 03:29 a 03:59
Em cima da fala o que se repete é aquela introdução limpa do início da música porém com distorção e bateria. Quando ele começa novamente a cantar a música muda para F# novamente e ele repete o "riff" do pré chorus. E assim termina música.



3)Os intrumentos usados
Como a maioria das bandas de heavy Metal a formação consiste em 2 guitarras (uma base e outro solo), um baixo, vocal e bateria. Uma curiosidade sobre a gravação desse disco: todos os membros gravaram juntos as músicas, ou seja, nada dessa história de primeiro a guia, depois a bateria, depois baixo...etc.... As musicas foram gravadas em conjuntos e somente a voz separada depois. Claro que para isso todos os instrumentos foram separados inclusive a bateria foi gravada dentro do "aquário da voz" para não dar eco dentro do estúdio. Isso é uma característica da banda como mostra essa foto da gravação do seu último álbum.


http://blog.garethjmsaunders.co.uk/wp-content/20070314_metallica.jpg

A)Guitarras
Muitos guitarristas consideram o "black albúm" como um dos melhores já gravados com guitarras pesadas. O pior ponto de uma guitarra pesada é soar como um "enxame de abelhas" (isso fica geralmente em torno de 5.4 kHz)  e isso não ouvimos nas guitarras desse álbum. 
James Hetfield numa entrevista afirmou que as guitarras foram gravadas em "camadas" usando até 11  amplificadores de uma vez  (que eram Marshall e Mesa Boggie, daí você vê como o que fazer "dobra" nas guitarras)alguns microfonados e outros direto em linha somente usando "crunch" ou seja a regulagem de distorção entre fraca/média. Outro fato curioso é que elas não foram "compressadas" ou sejas seu volume é natural. Como tiraram do "ar" a pistas das guitarras (as que tenho são originais) vou colocar uma pista côver que está muito parecida com a original:

As guitarras gravadas além de usarem as "signatures ESP" também foram utilizados Gibson Les Paul e PSR.  Se pegarmos e analisarmos o espectro dessa pista teremos a seguinte figura:




















Note o buraco em 320 hz - 2.6 kHz justamente feito para deixar a voz passar.

B)O Baixo
O baixo de Jason Newsted não tem muito segredo (ao contrártio das guitarras) ele usou apenas seu baixo de costume de estúdio que é um Fender Precision ligado num Ampeg STV (pelo menos 3 intercalados) e também um canal de linha (direto do baixo para mesa). Não se houve efeitos no baixo.
Abaixo temos somente o audio da pista do baixo:


Se pegarmos e analisarmos o espectro dessa pista teremos a seguinte figura:



 
















Repare que os pontos mais fortes do baixo vão de 40 - 280 hz e após isso a um queda acentuada.
O ganho em 1.2 kHz e novamente 5.1 kHz faz com ele soe forte mesmo em caixas pequenas como de computador.

 
C)Bateria
Segundo Hetfield essa foi a parte mais complicada da música principalmente por causa do ajuste da mesma que foram necessários mais de 10 dias. A bateria em si não achei muito sobre ela, mas provavelmente é uma série da TAMA que é sua bateria padrão.



No final se analisarmos o "espectro total" dessa música ele ficará assim

Normalmente a bateria tem menos "low end" que o baixo (geralmente o bumbo termina em 40 Hz e para o baixo em 20 Hz), mas note aqui que  o mesmo acompanha a curva do baixo.


D)Voz
Como você deve saber, James Hetfield é vocalista da banda. Nessa gravação as segundas vozes são do baixista na época que era Jason Newsted. Sobre o equipamento de gravação da voz, a única informação que consegui que foi gravado num "mixer" (mesa de som) SSL4000  que só tinha apenas compressor no "aux/buss". Geralmente essas vozes são "secas" e gravadas com microfones de 1ºlinha como Neuman Gold, AKG ou Rode .O Reverb é bem fraco provavelmente do tipo "Room".
Uma curiosidade: a oração (03:29) que há na música foi gravada em casa por James e a criança que fala é seu filho Nick e realmente eles  oram, pois James rezava com o filho antes de dormir.

 No final se analisarmos o "espectro total" dessa música ele ficará assim


 Se você analisar essa figura em relação as outras você verá que a voz passa por cima de qualquer outras das pistas em 320 hz - 2.6 kHz justamente para destacar. Próximo a 5 kHz ela pede força justamente para deixar a guitarra passar.

3)Master final
No final se analisarmos o "espectro total" dessa música ele ficará assim.



Aqui nos vemos o "valor final" da mixagem incluindo sua masterização.   Note que há vários "picos" e "quedas" em vários trechos da música. Vamos supor que você mande colocar o plugin para analisar sua música, provavelmente a maior diferença que você vai ver entre ela e essa é que nas duas "extremidades" (20 Hz - 20 kHz) ela está aberta pois você ainda não ha finalizou. A formação desse gráfico é composto pelos "aux/buss" que a música possue. Se olharmos os mesmos "em cima" dessa gráfico eles ficarão assim:


Guia Branca - Guitarra
Guia amarela - Baixo e Bateria
Guia roxa - Baixo

4)Panorama
Essa mixagem segue a figura que chamamos  de "dinâmico" ou seja aqui o foco visual é destacar as "pistas principais" porém como possivelmente há um "stereo enhancer" na música essa panorama pode ser até "ao vivo". Se colocar os fones de ouvidos você notará que as duas guitarras estão dividas uma para cada lado, o baixo no centro, caixa e bumbo no centro, os pratos seguem a ordem da bateria (repare que o xipo sai mais no lado direito) e a voz no centro.

5)Volume
E pra finalizar a análise o volume. A primeira coisa ao notar é que o volume dá destaque maior as guitarras (tanto que elas estão mais altas que a voz)  nota-se bem que as guitarras foram dobradas, pois elas soam mais "na cara" que os outros instrumentos. Parece não haver dobras na voz. O bumbo e caixa estão mais altas que o baixo e o xipo está um pouco abaixo do baixo e os pratos quando soados (assim como os tons) ganham destaque. 

6)Faça você mesmo!
O meu conselho é você pegar algum programa, converter as pistas em aúdio e exprimentar mixar (eu por exemplo uso plugins do FireFox como o Youtube Podcast). O único problemas é que só temos os "aux/buss" da pistas, mas como se trata de uma música "gravada em grande estúdio" possivelmente lhe dará grandes idéias!!!

Abraços!!! E boas gravações!!!



Fontes adcionais:
Revista Guitar Player
Mixonline
Wikipedia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Acreditamos sempre na liberdade de expressão e na troca de ideias!
Por favor pense antes de comentar!
Se está com alguma dificuldade coloque o e-mail para podemos responder com mais clareza! Abraços! Ótimas Gravações!