quinta-feira, 8 de abril de 2010

Gravação: Reverb e a voz, relação de amor e ódio.

Já comentei sobre os excessos de reverb nessa postagem e por isso o que vou falar será mais sobre o uso ou mesmo na voz. Hoje em dia, gravar se tornou muito fácil pois com um pouco de equipamento dá para fazer milagres, porém o reverb virou um vilão por muitos e isso deve-se muito ao exagero do mesmo nas décadas anteriores (a música soa cafona) e como a gravação da voz está muito mais limpa, muita gente optou por não colocar mais reverb em nada e autotune está em tudo (sem contar o harmonist). A maioria das pessoas que começam a gravar acha que reverb é solução de tudo, depois trocam opiniões em fóruns e acham que não serve mais pra nada (só para efeitos de guitarra e instrumento) só que daí suas vozes começam a sair com muita diferença de “espaçamento estéreo” entre a voz e o instrumento (a voz parece um karaokê) e mesmo assim preferem não mexer.
Para os desinformados, até hoje (e talvez pra sempre) quem corrige um erro de “espaçamento estéreo” é o reverb! Pois ele coloca a “voz no eixo”como você pode ouvir n clipe de três músicas:

Anos 80 - Modern Talking - Brother Louie
Note aqui o exagero de reverb principalmente na voz, para deixar tudo igual.



Anos 90 – Mamonas Assinas - Pelados em Santos
Note que a todos os instrumentos estão equilibrados e voz está com um reverb small só para deixa-lá na frente dos outros intrumentos.



2009 – Banda Cine - Garota Radical
Note aqui a quase ausência total de reverb, e como o autotune, harmonist e delay jogam a voz para frente.




Pra finalizar, escute uma música minha:

2006 – Rafael o KH – Vontade de amar
O pessoal acha que eu gravei num estúdio “estilo anos 80”, mas a verdade que até hoje nem sei o que aconteceu, me lembro que trabalhei com equalização, compressão e reverb. Note que o reverb da bateria e da voz são os mesmo, dando a sensação de ter sido gravadas no mesmo ambiente. A verdade é que dei um corte com equalizador gráfico entre 250 k a 5k deixando essas freqüências no mínimo, e o que aconteceu que a voz para frente. Aqui também passei autotune pra corrigir imperfeições.



O que acontece muito é que apesar da voz ser muito bem gravada e equalizada, na hora da mixagem ela não fecha com os instrumentos. Isso é problema de “ambiência de gravação” pois como a voz foi gravada o mais seca possível ela não irá fechar com os instrumentos (que estão carregados de efeitos). Em gravações onde o som é acústco (violão, voz, baixolão e bateria) é mas fácil resolver esse conflito pois tudo dá pra encaixar no mesmo ambiente assim com as gravações onde não se coloca efeito em nada. Muitos plugins hoje dia resolvem esse “conflito”, são os chamados “reforçadores de sinal” porém a maneira mais simples de resolver ainda é usar o reverb com o delay (ou chorus). Reverb coloca a voz na posição dos instrumentos e o Delay coloca a mesma para frente, além da opção de você pode colocar um efeito de cada lado (por exemplo reverb na esquerda e delay na direita). Abaixo alguns truques que dá para fazer com reverb e delay para voz tiradas dos fórums do audiolist.org:

Backing vocals: quando o mais importante é a harmonia, e não a inteligibilidade, voce pode usar neles um decay mais longo e menos pre-delay, separando-os assim do vocal principal (detalhes sobre esse parâmetro mais adiante). Outro efeito interessante para backings é o harmonizer (em soft ou hardware). Aplique um detune de -10 ou -15 cents no canal esquerdo e o oposto (+10 ou +15 cents) no direito. Use delays curtos com tempos diferentes em cada canal.
O corte de graves nessas vozes costuma ser necessário a fim de não atrapalhar o restante dos instrumentos: queda gradativa abaixo de 200 ou 300Hz a depender das vozes (se masculinas ou femininas), da presença de outros instrumentos, etc.

Vocal solo (pop/rock): Reverb leve com tempo de decay curto. Quanto mais rápido for o andamento da musica, menor deve ser o decay (decaimento, ou tempo que o reverb leva até desaparecer), para não invadir um trecho seguinte da frase. Não use queda de altas, para manter a voz "na frente" da mixagem. Se isso produzir sibilância na voz, exerimente um de-esser. Para baladas românticas onde a voz precisa se destacar bem, tente um decay mais longo (1s ou mais) com um grande pre-delay (entre 60 e 100ms). Esse último parametro indica o tempo que o reverb leva para ter inicio: durante esse tempo (entre o sinal original e o inicio do reverb) não há efeito algum, o que da mais clareza e distinção à voz.

Em qualquer processador de efeitos existem presets específicos para voz, que podem ser utilizados como estão ou servir de base para experimentação. No manual são dadas informações sobre como alterar os parâmetros (decay, pre-delay, feedback, etc).
Um delay tambem pode ser aplicado em voz solo: um tempo razoavelmemte longo (maior que 250 ms) ressaltará o vocal, pricipalmente se estiver sincronizado com o ritmo da musica. Ajuste o tempo de atraso para uma subdivisão exata do andamento (mais fácil se o aparelho tiver a função "tap tampo") e o feedback entre 15 e 25%. Um delay curto (uns 30ms) pode dar "corpo" à voz, fazendo-a aparecer na mixagem sem precisar elevar o nivel ou utilizar equalização.

Um exemplo de efeito em voz para rock pesado: use um delay simples (apenas uma repetição, ou seja, minimo feedback) com corte de altas (LPF) ajustado de forma que voce tenha apenas medios-graves no delay. Isso encorpa a voz, sem aparecer demais. Acrescente um plate reverb curto e dose a gosto.


Abraços!

2 comentários:

serginho ferraz disse...

Verdade parece música dos anos 80 (Gang 90) rsrsr
Foi gravada em HD? Parece analógico (em fita mesmo!!)

jabaout disse...

Obrigado pela presença Serginho!
Na verdade, também lembra o RPM! hahaha...
usei um equipamento bem simples, o computador era simples e a placa era Sound Blaster AWE64 e não conseguia "colar a voz" daí tive que apelar para uma combinação de reverb equalizador e noise gatem, tudo o que o pessoal não diz pra fazer!
Como sempre comento nas postagens: tudo é uma questão de experiência! Abraços!